Polícia brasileira usa força para impedir protesto em Fortaleza

Manifestantes queriam aproximar-se do estádio onde se realizou o jogo Brasil-México.

Fotogaleria
Multidão aproveitou jogo do Brasil para fazer nova manifestação Reuters
Fotogaleria
Jornalistas também na mira da polícia Reuteres
Fotogaleria
Gente de todas as idades na manifestação de Fortaleza AFP
Fotogaleria
Confrontos em Fortaleza AFP
Fotogaleria
Manifestantes frente ao Estádio de Fortaleza AFP
Fotogaleria
Manifestantes e polícia frente a frente AFP
Fotogaleria
Polícia e olho e mira nos manifestantes AFP
Fotogaleria
Manifestante detido pela polícia AFP
Fotogaleria
Família entre o aparato policial AFP
Fotogaleria
Multidão frente ao Estádio de Fortaleza AFP
Fotogaleria
Surfistas mascarados na manifestação de Fortalezao AFP
Fotogaleria
Polícia ferido em Fortaleza AFP
Fotogaleria
Manifestantes concentrados junto à prefeitura de São Paulo Miguel Schincariol/AFP
Fotogaleria
Manifestantes na Praça da Sé Alex Almeida /Reuters
Fotogaleria
Manifestantes na Praça da Sé Alex Almeida /Reuters
Fotogaleria
Efeito do lançamento de engenho incendiário Miguel Schincariol/AFP
Fotogaleria
Loja vandalizada no centro de São Paulo Daniel Guimaraens/AFP
Fotogaleria
Pilhagem de aparelho de televisão de loja atacada Daniel Guimaraens/AFP
Fotogaleria
Carro da televisão Record em chamas, junto à prefeitura Miguel Schincariol/AFP

Os manifestantes expressaram-se contra o esbanjamento de dinheiro com acontecimentos desportivos como o que decorre (a Taça das Confederações), o Mundial de 2014 e os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro.

De acordo com as agências noticiosas, várias pessoas ficaram feridas em Fortaleza. A polícia cercou o estádio.

De acordo com o jornal Folha de São Paulo, os manifestantes empunhavam cartazes com palavras de ordem contra o Governo da Presidente Dilma Rousseff e a Federação Internacional de Futebol (FIFA).

Em Belo Horizonte, onde na segunda-feira à noite um grupo de manifestantes atacou o Relógio da Copa, que fazia a contagem decrescente até ao Mundial de 2014, esteve marcado um protesto para esta tarde.

Os manifestantes que há uma semana ocupam as ruas das principais cidades brasileiras pedem o fim do investimento em acontecimentos e obras efémeras e a canalização dos recursos para áreas chave como a educação e a saúde. Na origem dos protestos esteve o anúncio do aumento dos transportes públicos, que os utentes consideram ser demasiado caros e demasiado maus.

Na noite de terça para quarta-feira, 50 mil pessoas saíram à rua em São Paulo. Os relatos indicam que os manifestantes tentaram acalmar e dissuadir um pequeno grupo que pretendia invadir a prefeitura. O edifício foi apedrejado e a polícia usou spray de gás pimenta contra os que tentavam entrar no edifício.

O governo estadual informou que uma força de segurança esteve durante os protestos no interior da prefeitura e optou por não intervir porque isso “poderia prejudicar parte da maioria pacífica dos manifestantes” que desfilaram no centro histórico e na Avenida Paulista. Uma agência bancária foi apedrejada, assim como um edifício da Polícia Militar (a polícia urbana). Os manifestantes atacaram também carros de exteriores de canais de televisão (Tv Record e Globo) porque consideram que as reportagens não são justas e parciais.

O clima manteve-se tenso durante toda a noite e registaram-se actos de vandalismo - as câmaras das televisões filmaram gente a partir montras de lojas de electrodomésticos e a levar produtos.

No estrangeiro, na terça-feira, brasileiros manifestaram-se em cidades como Lisboa e Porto – com cerca de 300 pessoas em cada uma das cidades –, Miami (Estados Unidos), Toronto (no Canadá) ou Cidade do México. Nova Iorque, Dublin, Berlim e Montreal também já assistiram a protestos.

Estão marcados novos protestos para o início da noite (hora brasileira) em várias cidades e a agenda dos protestos é a mesma: obrigar a Presidente Dilma (que anunciara ir pedir ajuda ao seu antecessor, Lula da Silva, sobre a forma de pôr fim à revolta popular - a repensar os investimentos.

Num esforço de transparência, que não terá ajudado a acalmar o clima nas ruas, o Governo brasileiro anunciou esta quarta-feira que o custo das obras para o Mundial 2014 deverá chegar aos 28 mil milhões de reais (9700 milhões de euros), mais 5,6% do que a última previsão. Em Fevereiro, as obras nas 12 cidades que vão acolher o Campeonato do Mundo, que compreendem construção e remodelação de estádios, e melhoramentos das redes viárias, de transportes públicos e aeroportos, tinham um custo previsto de 26.500 milhões de reais (9180 milhões de euros).