Lagarde a Sarkozy: “Utiliza-me como te convier”

Le Monde divulga carta que a directora do FMI terá escrito ao antigo Presidente francês, no âmbito do chamado "escândalo Tapie".

Foto
Christine Lagarde, directora geral do FMI Aly Son/Reuters

Largarde foi ouvida em tribunal no passado dia 23 de Maio. Dois meses antes, a polícia tinha encontrado em sua casa uma carta manuscrita dirigida ao antigo Presidente francês. A missiva foi nesta segunda-feira revelada pelo jornal Le Monde, que alega ter tido acesso ao processo judicial que condenou o Estado francês a indemnizar em 2008 o empresário francês Bernard Tapie com 403 milhões de euros. Tapie é amigo de Sarkozy e apelou ao voto no ex-Presidente.

“Querido Nicolas, de forma breve e respeitosamente, estou ao teu lado para te servir e servir os teus projectos para França”, começa por dizer a carta, que não se sabe se chegou a ser entregue a Sarkozy.

Ainda segundo o Le Monde, Christine Lagarde diz ter dado o melhor de si, acrescentando que se alguma vez falhou pede que Sarkozy lhe conceda perdão.

“Utiliza-me como te convier e como convier ao teu projecto. (…) Se me utilizares, necessito de ti como guia e do teu apoio: sem a tua condução poderia ser ineficaz, sem o teu apoio seria pouco credível. Com imensa admiração, Christine L”, pode ler-se na carta divulgada pelo jornal francês.

Segundo a investigação ao chamado "escândalo Tapie", Nicolas Sarkozy, que goza de imunidade enquanto ex-Presidente da República, terá sido o cérebro na sombra da arbitragem privada pedida por Lagarde e que levou a indemnização de Tapie. O empresário ganhou o litígio que opunha ao Banco Crédit Lyonnais e que tinha a ver com a venda da empresa Adidas.

Por decisão da antiga ministra da Economia e Finanças, que ocupou o cargo entre 2007 e 2011, Tapie recebeu 403 milhões de indemnizações por parte do Estado francês.

Lagarde está a ser ouvida como testemunha pelo Tribunal de Justiça da República, a única instituição judicial francesa habilitada a julgar membros do governo por eventuais delitos cometidos no exercício das suas funções.

Na passada sexta-feira, Stéphane Richard, antigo chefe de gabinete da então ministra, foi acusado de associação criminosa. Richard é hoje o presidente da multinacional Orange, antiga France-Telecom, que tem 226 milhões de clientes.

O Governo socialista já anunciou que vai recorrer desta decisão que levou à indemnização de Tapie.