As imagens da feira Art Basel

Este ano as instalações da feira sofreram uma renovação pela mão dos famosos arquitectos suíços Herzog & de Meuron.

Fotogaleria
Obra do artista indiano Sudarshan Shetty, "Path to Water" AFP
Fotogaleria
Instalação da artista norte-americana Sherrie Levine, "Pink Skull" AFP
Fotogaleria
Obra do artista belga Carsten Hoeller, "Snake" AFP
Fotogaleria
Trabalho do artista anglo-nigeriano Yinka Shonibare, "Champagne Kid (Perching)" AFP
Fotogaleria
A feira tem 60 mil visitantes AFP
Fotogaleria
Obra da artista brasileira Adriana Varejão, "Carnívoras," AFP
Fotogaleria
A renovação foi feita pela mão da dupla de arquitectos suíços Herzog & de Meuron
Fotogaleria
Trabalho do alemão Guenther Foerg, "Untitled, AFP
Fotogaleria
Fotografia de Sean Landers, "Moby Dick (Merrilees)" AFP
Fotogaleria
O artista chnês He Anem frente à sua obra "Hubble" AFP
Fotogaleria
Obra do artista polaco Piotr Uklansk AFP
Fotogaleria
Obra do artista japonês Chiharu Shiota, "In Silence" AFP
Fotogaleria
Obra do norte-americano Rob Pruitt, "Us" AFP
Fotogaleria
Trabalho do artista alemão Wolfgang Laib, "Passageway, Inside - Downside" AFP
Fotogaleria
O do artista indiano L.N. Tallur, "Veni, Vidi, Vici (I came, I saw, I conquered)" AFP
Fotogaleria
Obra do artista norte-americano Matt Connors, "Demonstration (red and blue)" AFP

Os coleccionadores do mundo inteiro estão esta semana em Basileia, na Suíça, para a Art Basel, a maior feira de arte contemporânea. Mais de 60 mil coleccionadores, galeristas, curadores, artistas e amantes de arte encontram-se nesta feira que dura de quinta-feira a domingo.

A Art Basel fez a sua selecção entre 1000 galerias candidatas, tendo escolhido 304, entre as quais a portuguesa Cristina Guerra.

Este ano as instalações da feira sofreram uma renovação pela mão dos famosos arquitectos suíços Herzog & de Meuron. O pavilhão tem como principal elemento um grande hall central que se abre ao céu. Os arquitectos, no seu site, chamam-lhe um "city lounge", "que não só define a entrada para os espeços da feira, mas será também um ponto fulcral para a vida pública" daquele bairro.

O espaço dedicado à secção Unlimited, reservado à arte monumental, também aumentou. "Temos 79 projectos, mais doze do que anteriormente. Podemos passar um dia inteiro aqui e para algumas pessoas é a coisa mais interessante da feira", disse Marc Spiegler, o director da Art Basel, numa conversa com a AFP.

"É um sítio fantástico para pôr em destaque um artista", diz Ashley Rawlings, director da sucursal japonesa da Blum & Poe, uma galeria de Los Angeles que este ano uma instalação de Nobuo Sekine, um artista japonês saído do movimento Mono-Ha, um grupo conceptual dos finais da década de 60. A galeria espera valorizar este artista, entre os mais importantes do pós-guerra do Japão, e que vender uma peça a uma instituição relevante. Apesar destas peças colossais terem mais vocação para estarem num museu, Unlimited tornou-se rapidamente um ponto obrigatório para os visitantes da Art Basel.

"Começo aqui porque encontro tranquilidade", afirmou à AFP Marco Stoffel, um coleccionador de Lucerne, que já vem à feira há 20 anos. Na outra parte da Art Basel, a dos stands das galerias, os negócios começam na primeira hora. "Há un buzz imediato. Penso que há muitas coisas que já se venderam", explicou Tim Marlow, director de exposições da galeria londrina White Cube, que já tinha negociado várias peças logo que as portas abriram na quarta-feira aos convidados. "Vendemos duas pinturas de Sergei Jensen, uma Tracey Emin, e aquele Mark Bradford por 725.000 dólares", enumera, apontando para uma colagem do artista norte-americano. "E há um grande interesse pela farmácia de Damian Hirst a quatro milhões de libras.

Apesar da crise económica, o mercado da arte continua animado, sendo as obras consideradas um investimento seguro para as grandes fortunas. Segundo a Artprice.com, o resultado dos leilões a nível mundial mais do que duplicou depois do ponto baixo de 2009.

Esta quinta-feira estava prevista, via-se no site da feira, uma discussão sobre os museus em tempos de austeridades, que incluía Suzanne Cotter, a nova directora do Museu de Arte Contemporânea de Serralves, no Porto.