Morreu Arturo Vega, o quinto Ramone

Arturo Vega conclui o logo definitivo da banda em 1976
Fotogaleria
Arturo Vega conclui o logo definitivo da banda em 1976 DR/Omnibus Press
Fotogaleria
Vega tinha 65 anos DR
Fotogaleria
O designer com o logo DR
Fotogaleria
O logo que tem sido multiplicado em t-shirts DR
Fotogaleria
Os Ramones são hoje uma das mais emblemáticas bandas Reuters
Fotogaleria
Vega acompanhou a banda desde o início Reuters

Não precisou de ser músico para ser considerado o quinto Ramone. Arturo Vega, o designer responsável pelo icónico logo dos Ramones, imagem de tantas t-shirts, morreu neste sábado. As causas da morte do homem que acompanhou a banda durante 22 anos não são conhecidas. Tinha 65 anos.

Foi há quase 40 anos que Arturo Vega, um mexicano que no início da década de 70 decidiu emigrar para Nova Iorque, criou aquela que é hoje considerada uma das imagens mais icónicas do punk: o logo dos Ramones, a histórica banda punk nova-iorquina.

Amigo próximo dos Ramones, Arturo Vega não foi apenas o designer da banda. Abriu as portas de sua casa a Joey e Dee Dee Ramone no início da banda, acompanhando assim a gravação dos primeiros trabalhos. Nos últimos anos, Vega tornou-se ainda numa espécie de zelador da banda, reproduzindo uma e outra vez as muitas histórias de Joey, Dee Dee, Johnny e Tommy Ramone, o único elemento vivo. O vocalista Joey morreu em 2001, vítima de um linfoma, Dee Dee e Johnny desapareceram em 2002 e 2004. O apelido Ramone era usado por todos como pseudónimo.

A história de Arturo Vega e a importância que teve para a banda de Blitzkrieg Bop está muito bem documentada na biografia I Slept With Joey Ramone, assinada por Legs McNeil e Mickey Leigh, o irmão de Joey Ramone.

“O Arturo estava totalmente enamorado pelos Ramones, e investiu muito do seu tempo a fazer tudo o que pudesse para os ajudar, artisticamente ou outra coisa qualquer. E apesar de eles não lhe pagarem, ele continuou a desenvolver novos designs para flyers, cartazes, banners, cenários e, mais tarde, t-shirts”, lê-se no livro, que poderá vir a ser adaptado ao cinema.

Numa recente entrevista à Rolling Stone, Arturo Vega explicou este seu amor à banda. “Sinto-me responsável por continuar o legado dos Ramones. O rock and roll tem sido o meu farol e a minha fonte de motivação, uma arma para mudar o mundo”, disse há pouco mais de três meses Vega, explicando que a mudança para Nova Iorque aconteceu porque estava à procura de “fazer alguma coisa relacionada com arte”.

É então que conhece Dee Dee, com quem partilha casa. Mais tarde Joey, que não estava contente com a casa onde vivia, muda-se para o loft dos seus amigos, hoje conhecido como “o loft dos Ramones”. Fica perto do bar CBGB, onde a banda começou a dar os primeiros concertos. “E assim começou a minha história com os Ramones”, rematou Vega, acrescentando que o seu trabalho “era parte do espectáculo”, até porque foi durante muito tempo responsável pelas luzes dos concertos da banda. “Nós fomos os primeiros a usar a luz branca pura”, gabava-se.

Mas a sua maior marca, e que ainda hoje, já longe da existência da banda, continua a render dinheiro, é o logo. Está por todo o lado e deixou mesmo de ser uma imagem do punk underground para se tornar num ícone comercializado em grande escala. Não é por acaso que se podem encontrar t-shirts e sacos com este logo em algumas lojas de roupa bem conhecidas, como a H&M ou a Primark. Há quem diga que foram mesmo as t-shirts que durante muito tempo foram a principal fonte de receitas dos Ramones e Arturo Vega nunca desmentiu.

“As t-shirts vendiam-se como pães quentes”, disse na entrevista à Rolling Stone, explicando que a banda de facto não vendeu muitos discos, ao contrário do que aconteceu com as t-shirts. E outra vez pioneiros: “Fomos os primeiros a vender as t-shirts metodicamente em concertos e nunca negociámos com uma empresa de merchandising”.

E como surgiu o logo? A história é muito simples, dizia Vega, que tantas vezes foi questionado sobre isto. A inspiração vem de um logo de uma loja que ainda hoje existe, a Kaufman’s. Mas a águia, que aparece no centro da imagem, já existia antes disso na cabeça de Vega. “Está na bandeira do México”, explicou o designer, acrescentando ainda que “desde os romanos que a águia é vista como algo majestoso”. “Nunca fazem coisas estúpidas como chupar ‘as bolas’, o que um leão faria”, justificou. A imagem definitiva, em que aparecem os nomes dos quatro Ramones, inspirada também pela moeda de dólar de Eisenhower de 1972, ficou concluída em 1976.

“Descansa em paz meu querido amigo, tu foste o mais optimista, alegre e divertido companheiro que alguém pôde desejar. Eu não sei como será o mundo sem ti, nem quero sequer imaginar... Mas sei que encontrarás a felicidade eterna estejas onde estiveres”, escreveu Legs McNeil, o autor da biografia e amigo, no seu Facebook, ao mesmo tempo que partilhou algumas fotos ao lado de Arturo Vega. “Se não fosse o Arturo, o Joey e eu teríamos morrido de fome nos primeiros anos”, escreveu num outro post, acrescentando que Vega “tornava qualquer coisa numa aventura”.