Selecção em défice pontual tenta evitar recessão desportiva

Foto
O seleccionador português, Paulo Bento, espera dificuldades na partida de Portugal frente à Rússia JOSé MANUEL RIBEIRO/reuters

Equipa nacional recebe a Rússia, em partida de qualificação para o Mundial 2014, e está proibida de falhar.

Passaram dois meses e meio desde o último encontro de qualificação para o Mundial 2014 disputado pela selecção nacional, e Portugal tem, frente à Rússia, oportunidade de voltar a esquecer-se por alguns dias das agruras económicas, para encarar de frente as dificuldades futebolísticas. A equipa de Paulo Bento está em situação complicada no Grupo F e já não depende exclusivamente de si própria para chegar ao primeiro lugar e obter o apuramento directo (ver texto nestas páginas).

A equipa está pressionada, como o próprio seleccionador admitiu. Das últimas quatro partidas de apuramento para o Mundial 2014, Portugal só ganhou uma: a visita ao Azerbaijão (2-0). Registou ainda dois empates (3-3 em Israel e 1-1 em casa, com a Irlanda do Norte) e uma derrota, por 1-0, na visita à Rússia. Esta noite (20h45, RTP1) a selecção nacional volta a ter pela frente o conjunto orientado por Fabio Capello - e só a vitória interessa.

Paulo Bento deu a receita para o sucesso: "Não nos podemos deixar condicionar pela ansiedade, que é fruto da nossa classificação, e procurar resolver tudo o mais depressa possível. Temos de ser uma equipa equilibrada a nível táctico e emocional. Vamos deparar-nos com muitas dificuldades e estamos um pouco mais pressionados em função de a nossa margem ir diminuindo com os pontos que deixámos pelo caminho", disse, na antevisão da partida.

Pela frente estará uma equipa muito confortável na classificação. A Rússia comanda o Grupo F com um ponto de vantagem sobre Israel e Portugal, mesmo com menos dois jogos disputados do que estas selecções. "Um resultado positivo em Lisboa deixar-nos-á mais próximos do nosso grande objectivo, que passa por estar no Mundial 2014. Vamos a Lisboa para ganhar o jogo, mesmo que tenhamos que defender ao longo do mesmo", sublinhava Capello, antes da viagem para Portugal.

A selecção nacional está, portante, obrigada a ter a iniciativa, reconheceu Paulo Bento, pedindo "paciência na construção do jogo". "É um jogo que tem 90 minutos para ser ganho. Vamos tentar estar a maior parte do tempo por cima do adversário", vincou o técnico. "Sabemos que do outro lado está uma equipa de grande qualidade, muito consistente, com quatro jogos e quatro vitórias, sem sofrer nenhum golo. Uma equipa que defende bem e contra-ataca bem", acrescentou Paulo Bento, que tentará devolver a equipa nacional às vitórias frente à Rússia: desde 2004, quando bateu os russos por 7-1 em Alvalade, em jogo de qualificação para o Mundial 2006, que Portugal não consegue vencer a Rússia.

Sem Pepe, indisponível por castigo, Paulo Bento deverá optar por Neto ou Ricardo Costa para fazer dupla com Bruno Alves no centro da defesa. "Decidiremos amanhã [hoje]. O central que irá jogar é Bruno Alves. Quanto a quem o acompanhará, teremos tempo para decidir. [Neto e Ricardo Costa] são duas mais-valias. E o Sereno também está em condições físicas para jogar", lembrou o seleccionador. Já Nani deverá ficar fora das opções iniciais de Paulo Bento, dada a sua prolongada inactividade: "O último jogo que fez foi em finais de Abril. Está clinicamente apto, mas temos de ter em consideração tudo isso e definir a melhor forma de o utilizar. É um jogador com demasiado talento, que é importante na nossa dinâmica, o que nos obriga a esgotar todos os prazos", explicou.