Governo alerta estivadores que greve porá em causa postos de trabalho

Foto
Estivadores de Lisboa vão fazer mais um mês de greve

O Secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, Sérgio Monteiro, apelou hoje aos estivadores para que suspendam a greve no Porto de Lisboa, evitando o abrandamento da actividade portuária e a eventual cessação de postos de trabalho.

"Se houver a percepção dos agentes de navegação que o Porto de Lisboa afinal não resolveu os seus problemas laborais e tem um problema de fiabilidade agora e no futuro e se, apesar da nova lei, não conseguimos pacificar esta situação, isso vai ser um problema nesta recuperação e podem estar em causa os postos de trabalho", afirmou Sérgio Monteiro.

O Secretário de Estado reconheceu ter ficado surpreendido perante a decisão dos estivadores de apresentarem um pré-aviso de greve, "num momento em que estão a decorrer conversas entre os operadores e as estruturas sindicais com propostas de entendimento relativamente a um acordo colectivo".

"Procuraremos criar condições para que esse diálogo se mantenha sem pré-avisos de greve", garantiu Sérgio Monteiro, acrescentando que "o Governo procurará criar todas as condições para que a negociação possa chegar a bom porto e apela para que haja convergência de interesses".

Numa altura em que o Porto de Lisboa recuperou a sua actividade portuária, que sofreu uma quebra de 66% devido à greve de quatro meses dos estivadores, no início do ano, Sérgio Monteiro referiu que uma paragem de duas horas num turno de oito horas representa uma quebra de 25% na actividade portuária.

"O que nos preocupa é que Lisboa continue na rota de recuperação da actividade e que não sejam hoje tomadas medidas que tenham impacto no emprego. Não é a nova lei do trabalho portuário que criará desemprego agora ou no futuro. A lei manteve os postos de trabalho. Agora, um pré-aviso de greve que, efectivamente, se transforme em greve, isso sim pode ser perigoso para a continuação da actividade no Porto de Lisboa", reforçou o membro do Governo.

Os estivadores do Porto de Lisboa vão entrar novamente em greve a partir de 25 de Junho e durante quatro semanas, disse hoje à Lusa o presidente do Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul, António Mariano.

O sindicalista afirmou que o pré-aviso de greve, que foi emitido na quinta-feira, determina a interrupção do trabalho entre 25 deste mês e 22 de Julho.

Nas duas primeiras semanas, a greve será feita durante uma hora no primeiro turno e, nas duas semanas seguintes, a paralisação será de duas horas também no primeiro turno.

O presidente do Sindicato dos Estivadores do Centro e Sul disse ainda que a greve vai ser executada "essencialmente pelos trabalhadores do Porto de Lisboa, salvaguardando que "se eventualmente houver desvios de carga, os trabalhadores de Setúbal e da Figueira da Foz não vão recolher essa carga".