Crato quer “maior autonomia” de contratação nas escolas, mas num horizonte de dez anos

Ministério emitiu um esclarecimento sobre declarações à revista brasileira Veja, apontando que a transcrição da entrevista não é inteiramente fiel.

Foto
Nuno Crato Miguel Manso

O Ministério da Educação e Ciência afirma, numa nota enviada ao PÚBLICO, que as declarações citadas pela revista brasileira Veja e retiradas de uma entrevista a Nuno Crato “não são exactamente aquelas proferidas” pelo governante português.

A nota esclarece que, ao referir-se à possibilidade de contratação e demissão de professores pelas escolas, o ministro da Educação e Ciência “está a falar de uma maior autonomia e de um papel decisivo das escolas na contratação de professores num horizonte de dez anos e não nos próximos anos, como é dito na entrevista”.

O ministério observa ainda que Crato estava "a referir-se essencialmente à contratação de professores, mencionando a possibilidade de ‘eventualmente’ poderem ser dispensados apenas na sequência de uma pergunta da jornalista” da revista Veja.