Marselha já tem um grande museu do Mediterrâneo

Projecto começou a ser planeado há mais de dez anos, e abre as portas ao público na sexta-feira, num novo espaço projectado no Velho Porto de Marselha.

Fotogaleria
O edifício foi projectado pelo arquitecto Rudy Ricciotti AFP
Fotogaleria
A cobertura do edifício Reuters
Fotogaleria
O presidente da câmara de Marselha Jean-Claude Gaudin ouve o discurso do Presidente francês François Hollande AFP
Fotogaleria
Uma das galerias do museu AFP
Fotogaleria
O interior do museu AFP
Fotogaleria
O interior do museu Reuters
Fotogaleria
O maior navio de contentores entra no porto de Marselha e é visto do local do museu AFP

Um grande museu para aproximar os países do Mediterrâneo e para modificar a imagem de Marselha, colocando a cidade na rota cultural francesa – é este o programa do MuCEM, Museu das Civilizações da Europa e do Mediterrâneo, inaugurado terça-feira pelo Presidente francês François Hollande, e cujas portas abrirão ao público no dia 7.

Dirigido por Bruno Suzzarelli, o museu resulta de um projecto ambicioso, que vem dos tempos pré-crise, e que inclui um edifício novo projectado pelo arquitecto Rudy Ricciotti, e ligado por uma ponte ao recém-reabilitado Forte de Saint-Jean (um monumento do século XII, até agora fechado ao público), no Porto Velho de Marselha, num conjunto com 30 mil metros quadrados.

A colecção do MuCEM reúne peças – num total de 250 mil – do antigo Museu Nacional das Artes e Tradições Populares, que existiu em Paris entre 1972 e 2005, e algumas do antigo Museu do Homem. No rés-do-chão haverá uma galeria permanente, que pretende apresentar o complexo universo do Mediterrâneo, organizando-se em quatro núcleos: a invenção da agricultura, Jerusalém como cidade-berço das três grandes religiões monoteístas, a cidadania (com base nas colecções gregas), e a descoberta das rotas marítimas.

No primeiro andar e no Forte Saint-Jean encontram-se dois espaços de exposições temporárias. Estão já planeadas duas: O azul e o negro, um sonho mediterrânico (de 15 de Junho a 15 de Dezembro), e O bazar dos géneros, feminino-masculino no Mediterrâneo (de Junho a Janeiro de 2014).

Em declarações ao Figaro, Girard reconhece que as colecções “têm lacunas”, mas mostra-se confiante na possibilidade de as ultrapassar dado que o museu terá 300 mil euros por ano para novas aquisições. Da programação farão também parte exposições, debates, concertos.

A inauguração esta semana é o culminar de um longo processo. O MuCEM começou a ser pensado há quase 15 anos por Michel Colardel, então director do Museu Nacional de Artes e Tradições Populares. Seguiu-se mais de uma década daquilo que o Figaro descreve como “discussões, hesitações, mudanças de linha e depois de director”. Neste momento, com a Europa mergulhada em crise, o projecto – que teve um custo de 167 milhões de euros, financiado a 65% pelo Estado, e 35% por colectividades locais e pela região – poderá ser “um dos últimos grandes espaços culturais da década”, diz o Figaro, interrogando-se sobre “quando é que a França voltará a ter de novo um orçamento como este para promover a arte?”.

O presidente Bruno Suzzarelli sublinha que este é o primeiro museu do mundo consagrado às civilizações do Mediterrâneo, ligando permanentemente o passado e o presente, e “sem tabus”: “Nas exposições, a história será abordada da maneira como as questões se colocam hoje: a gestão da água, os direitos do Homem nos países onde a pena de morte está em vigor, a liberdade de circulação, a condição das mulheres”, explicou.

François Hollande disse ao jornal La Provence que o MuCEM irá contribuir para o desenvolvimento e renovação urbana de Marselha, mas terá uma ressonância que vai muito para além desta cidade. “Será também uma ponte entre as duas margens do Mediterrâneo, terá uma dimensão europeia, e mesmo internacional”. O MuCEM, situado “num cais que acolhia, há não muito tempo, as populações que vinham do Sul para trabalhar e que ficavam muitas vezes em Marselha ou na região”, será, segundo Hollande, um símbolo que “recordará a história mas inscrever-se-á no futuro”.