Arquitectura: prémio FAD tem seis finalistas portugueses

Serão conhecidos, em Barcelona, no dia 11 de Julho, os vencedores do mais importante prémio de arquitectura ibérica

Montanha Agricultural João Peixoto
Fotogaleria
Montanha Agricultural João Peixoto
Ledscape Fernando Guerra
Fotogaleria
Ledscape Fernando Guerra

Há seis obras portuguesas entre as candidatas ao Prémio FAD de Arquitectura, Interiores e Intervenções Efémeras.

O júri seleccionou, entre as 401 candidaturas, a Escola Básica e Secundária de Sever do Vouga, da autoria de Pedro Domingos, o Teatro Thalia, de Gonçalo Byrne, Patricia Barbas e Diogo Lopes, e a remodelação do edifício sede do Banco de Portugal, de Byrne e João Pedro Falcão de Campos, ambos em Lisboa.

Todos estes concorrem na categoria de Arquitectura, contra nove espanhóis. Na categoria de Interiores, e contra três espanhóis, está o Centro Interpretativo do Mosteiro da Batalha, de Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos.

Foto
Escola Básica e Secundária de Sever do Vouga Fernando Guerra

Os projectos Montanha Agricultural, em Veiga de Creixomil, de Nuno Cruz, Bruno Gomes e António Lopes, e a instalação Ledscape, da LIKEarchitects, apresentada no Centro Cultural de Belém, encontram-se na categoria Intervenções Efémeras. A única categoria que não tem portugueses a concorrer é Cidade e Paisagem.

O Prémio FAD foi criado em 1958 pela associação espanhola Arquinfad. Premeia categorias como Arquitectura, Interiores, Cidade e Paisagem, Intervenções Efémeras, Pensamento e Críticas.

Os prémios são atribuídos anualmente e Portugal já arrecadou alguns "globos" da arquitectura. Em 1999, o Prémio FAD de Arquitectura foi para João Luis Carrilho da Graça (Pavilhão do Conhecimento) e em 2005 para Eduardo Souto de Moura (Estádio Municipal de Braga). Em 2009, o prémio foi para João Maria Ventura Trindade (Estação Biológica do Garducho) e, em 2011, para Ricardo Bak Gordon.