As festas populares também andam nos transportes de Lisboa

Nos ascensores, no metro, no comboio ou autocarro: por todo o lado, os utentes dos transportes públicos são convidados a "Andar em Festa" durante o mês de Junho.

Fotogaleria
Ascensor da Bica está forrado a vinil com desenho da calçada portuguesa DR
Fotogaleria
Outro dos ascensores da Bica DR
Fotogaleria
Ascensor do Lavra com azulejos impressos DR
Fotogaleria
Ascensor da Glória que sobe dos Restauradores ao Bairro Alto DR
Fotogaleria
Outro dos ascensores da Glória DR

Quem passar durante este mês de Junho pelos ascensores de Lisboa vai encontrá-los de cara lavada. Forrados a vinil com motivos de azulejos ou de calçada portuguesa, os turísticos “amarelinhos” da Glória, do Lavra e da Bica ganharam outra cor para as festas da cidade. Mas não são os únicos: a animação chega a todos os transportes públicos da capital.

O desafio foi lançado pela Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural (EGEAC), que organiza as Festas de Lisboa, de 1 a 30 de Junho. Através de um concurso de ideias, no âmbito do já habitual programa “Andar em Festa”, a EGEAC escolheu as melhores propostas para animar os transportes públicos. O resultado está, literalmente, à vista.

Mariana Cidade, uma arquitecta de 26 anos, venceu o concurso de ideias para os ascensores, que teriam de ficar “vestidos a rigor” para a festa. Inspirou-se na paixão que tem pelos azulejos portugueses e por tudo o que é tradicional, desenhou o fato à medida.  

Nos ascensores da Glória (o mais movimentado da cidade e classificado como Monumento Nacional) e do Lavra, a arquitecta forrou os exteriores com vinil autocolante, com composições de azulejos tradicionais. Na Bica optou pela calçada portuguesa, impressa no mesmo material. A pedido da EGEAC, fez o mesmo no pavimento do elevador de Santa Justa, outra atracção turística da Baixa de Lisboa.

“Peguei na ideia dos autocarros, que andam sempre forrados com imagens de marcas. Agarrei nessa ideia simples para fazer publicidade à arte nacional”, explica a arquitecta. Os lisboetas e a Carris agradecem: o vinil tapa os vestígios de actos de vandalismo, como os rabiscos a tinta, pelo menos por enquanto. “Estou a fazer figas para que ninguém estrague”, diz Mariana Cidade.

Música, teatro e escultura
Além dos ascensores, também o metro, os autocarros da Carris, os táxis, os comboios da CP e o terminal fluvial da Transtejo têm surpresas para os utentes.

Na estação de metro do Cais do Sodré vai andar uma “brigada de robots cantantes”, pensada pelo Atelier Data, a interpretar a música popular Cheira bem, cheira a Lisboa. “Artistas convidados e lisboetas anónimos serão os intérpretes”, escreve a EGEAC no guia de programação.

Os autocarros vão ter “Rimas sobre Rodas”, com pequenos concertos de hip hop a bordo, uma ideia da autoria de Mineiro&Abreu. No terminal fluvial do Terreiro do Paço, Duarte Rato e Rita Melo instalaram uma escultura composta por uma “pele escamada”. Alguns táxis vão ter peças de teatro a bordo (gratuitas), às quais os clientes podem assistir desde que entram nos veículos até que chegam ao destino. E nos comboios da Linha de Cascais vai haver “ópera cómica”. Nos eléctricos 28 e 12, acontecem os habituais concertos de fado.

Cada uma destas iniciativas tem data e hora marcada na programação das Festas de Lisboa, disponível aqui.