Protestos contra o governo alastram na Turquia

Primeiro-ministro diz que não há uma "Primavera turca". Um manifestante morreu atropelado e em Ancara a polícia lançou gás lacrimogéneo.

Fotogaleria
Os manifestantes dizem que o Governo não os ouve e que quer silenciar o protesto censurando a imprensa nacional REUTERS/Murad Sezer
Fotogaleria
A Praça Taksim, no centro de Istambul, está por norma cheia de turistas. Por estes dias é palco de confrontos entre polícia e manifestantes AFP PHOTO/BULENT KILIC
Fotogaleria
A 28 de Maio, centenas de pessoas juntaram-se no parque Taksim Gezi em protesto contra a sua demolição. A polícia afastou os manifestantes com canhões de água e gás lacrimogéneo REUTERS/Osman Orsal
Fotogaleria
As centenas de pessoas que se juntaram para defender o parque transformaram-se nos dias seguintes em milhares nas ruas numa luta contra o Governo AFP PHOTO/GURCAN OZTURK
Fotogaleria
"Deitem abaixo o Governo e construam um centro comercial no lugar dele", lê-se num dos cartazes dos manifestantes REUTERS/Stringer
Fotogaleria
Os manifestantes tomaram o parque em protesto, mas a polícia desalojou-os à força, o que chamou ao local políticos da oposição, artistas e intelectuais, que se solidarizaram com o movimento REUTERS/Osman Orsal
Fotogaleria
Em Istambul, os manifestantes subiram a uma escavadora e tentaram chegar ao gabinete do primeiro-ministro turco, Recep Tayyip Erdogan REUTERS/Stringer
Fotogaleria
Os protestos chegaram entretanto a outras cidades. Em Ancara, um manifestante segura uma bandeira de of Mustafa Kemal Ataturk, fundador da Turquia moderna REUTERS/Umit Bektas
Fotogaleria
O primeiro-ministro culpa as redes sociais por galvanizarem uma "franja extremista" da sociedade turca REUTERS/Murad Sezer
Fotogaleria
A polícia turca tem respondido aos protestos com violência, nomeadamente com recurso ao gás lacrimogéneo. O presidente turco tentou acalmar os ânimos pedindo às autoridades que se retirassem da praça Taksim REUTERS/Umit Bektas
Fotogaleria
Fontes oficiais citadas pela BBC indicam que nas manifestações dos últimos dias em 67 cidades foram detidas 1700 pessoas, que na sua maior parte já foram libertadas REUTERS/Umit Bektas
Fotogaleria
Os confrontos com a polícia fizeram até agora dois mortos e mais de mil feridos AFP PHOTO/OZAN KOSE
Fotogaleria
Os protestos são descritos como os mais violentos dos últimos anos REUTERS/Umit Bektas
Fotogaleria
Apesar de gozar de uma alta popularidade na Turquia, Recep Tayyip Erdogan é acusado de autoritarismo e conservadorismo religioso AFP PHOTO/BULENT KILIC
Fotogaleria
No meio da confusão instalada na praça Taksim, um casal escolheu o local para celebrar o casamento, vestindo-se a rigor para a cerimónia e para o protesto AFP PHOTO/GURCAN OZTURK
Fotogaleria
Um jovem guardou orgulhosamente uma cápsula de gás lacrimogéneo utilizada pela polícia AFP PHOTO/OZAN KOSE
Fotogaleria
O movimento “Occupy Gezi”, que começou com a ocupação do parque com este nome, é agora um protesto contra um Governo autoritário e ditatorial, dizem os manifestantes, que ninguém sabe como vai terminar AFP PHOTO/BULENT KILIC

Os confrontos entre manifestantes e polícia prosseguiam esta segunda-feira, cuja madrugada foi muito violenta. A insurreição turca fez, entretanto, a primeira vítima. O sindicado dos médicos turcos anunciou a morte de uma pessoa por atropelamento, numa auto-estrada perto de Istambul por onde caminhavam manifestantes. A Reuters diz que o condutor do automóvel se lançou contra os manifestantes, o El País conta que se tratou de um despiste de um taxista devido à presença de gente naquela via de circulação rápida.

Em comunicado, citado pela AFP,  o sindicato atribuiu a morte do manifestante - um jovem membro de uma associação de esquerda - à "intransigência" do primeiro-ministro e à brutalidade que as forças da ordem estão a pôr na repressão dos protestos.

À medida que os protestos alastram, a repressão é maior. Em Ancara, onde também já se realizam manifestações contra Erdogan, a polícia lançou esta tarde gás lacrimogéneo contra a população nas ruas.

Os protestos na Turquia começaram há sete dias - entram pois na segunda-semana - e a violência eclodiu há quatro. O motivo imediato desta  onda de indignação popular foi o anúncio de que o parque Gezi, junto à praça central de Taksim, em Istambul, seria destruído para ser reconstruída uma caserna militar otomana com um centro comercial no interior. Para isso foi apenas o gatilho que fez disparar a fúria com as políticas conservadoras e islamizantes do Governo e o ímpeto de lançamento de projectos faraónicos em Istambul.

Erdogan, classificando os manifestantes de "franja extremista", atacou a oposição. "O maior partido da oposição, que todos os dias apela a que se faça resistência nas ruas, está a provocar estes protestos", disse o primeiro-ministro que, no domingo, numa intervenção que passou na televisão turca, considerou as redes sociais um perigo.

Disse ainda haver suspeitas de que há "actores estrangeiros por trás as manifestações e que os serviços secretos turcos vão investigar se há "interferências de potências estrangeiras" nos protestos.: "Não é possível revelar os seus nomes. Mas vamos encontrar-nos com os líderes", assegurou Erdogan, citado pelo site em inglês do jornal turco Hurriyet.

As redes sociais estão também a ser visadas pelos dirigentes turcos: "Agora há uma ameaça chamada Twitter. E os melhores exemplos das mentiras [da oposição] estão ali. Para mim, as redes sociais são a maior ameaça à sociedade", tinha dito o primeiro-ministro no domingo à noite.

Claques unidas

Para acolher os que ficaram feridos durante a madrugada e já no período da manhã, mesquitas, lojas e a universidade foram, segundo a Reuters, transformadas em hospitais improvisados. O número de feridos não é exacto mas uma associação médica disse que entre sexta-feira e a madrugada de segunda foram assistidos 484 manifestantes em hospitais de Istambul. A BBC diz que alguns hotéis também abriram as portas a estes feridos e nota que os protestos estão a criar uma unanimidade pouco habitual, com os adeptos dos clubes rivais — em Istambul não há rivalidade clubística, há ódio — a marcharem juntos.


Na origem deste descontentamento está a política de Erdogan e algumas regras que o governo aprovou nas últimas semanas e que, segundo os observadores, têm como finalidade islamizar a sociedade turca.

Recep Erdogan, líder do Partido do Desenvolvimento e da Justiça, é um conservador. O partido é de inspiração islâmica e está no poder há dez anos. Tem imposto uma visão moralista da sociedade que, apesar de maioritariamente muçulmana, é laica.

Recentemente, foi limitada a venda de álcool, assim como a publicidade a este produto. E numa estação de metro de Ancara foi transmitido um aviso sonoro dizendo a um grupo de adolescentes que lá se encontrava que os beijos em público são proibidos. As hospedeiras da Turkish Airlines foram proibidas de usar saias demasiado curta e justas e baton vermelho — a revista Foreign Policy fala de uma vaga de neo-otomanismo na Turquia, de que faz parte um plano de construção de edifícios de grande envergadura, e o centro comercial da Praça Taksim fará parte desse plano.

Fontes oficiais citadas pela BBC indicam que os protestos de Istambul alastram ao resto do país. Nos últimos dias houve manifestações contra o governo em 67 cidades — foram detidas 1700 pessoas, que na sua maior parte já foram libertadas. Imagens de televisão mostraram parte do edifício do AKP em chamas, em Esmirna, mas a agência Dogan noticiou que os bombeiros dominaram o incêndio.

"Erdogan não ouve ninguém", disse ao jornal britânico The Guardian Koray Caliskan, cientista político de Istambul e professor na Universidade do Bósforo. "Nem sequer ouve os membros do seu partido. Mas depois destes protestos terá que aceitar que é o primeiro-ministro de um país democrático e que não pode governar sozinho".

Apelo da União Europeia

O risco de a violência subir de tom e de a Turquia se tornar um país em insurreição — e trata-se de um vizinho da Síria, país que está há mais de dois anos em guerra civil — levou os representantes da União Europeia e dos Estados Unidos a apelarem a Erdogan para manter a calma e evitar a presença da polícia nas manifestações.


"Deve ser aberto um diálogo para se chegar a uma solução pacífica para o problema", disse a comissária europeia dos Negócios Estrangeiros, Catherine Ashton, citada pela Reuters. Uma porta-voz do Governo americano, Laura Lucas, fez apelo idêntico e pediu "um exercício de contenção" ao Governo turco.

Os protestos vão continuar, estando marcadas novas concentrações para esta segunda-feira. Erdogan, por enquanto, mantém a sua agenda e nos próximos dias visitará países do Magrebe.