"FMI fora daqui", gritou-se em Lisboa e no Porto

Protestos integrados em manifestações em várias cidades europeias tiveram menos participantes do que em iniciativas anteriores.

Centenas juntaram-se ao protesto em Lisboa
Fotogaleria
Centenas juntaram-se ao protesto em Lisboa Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha
Fotogaleria
Daniel Rocha

Em Lisboa e no Porto, gritou-se “FMI fora daqui”. Mas não com tantas vozes como em manifestações anteriores contra as medidas de austeridade.

As duas maiores cidades do país juntaram-se a várias outras na Europa, num protesto sob o lema “O povo unido contra a troika”.

No Porto, foram mais de mil os manifestantes. O protesto, promovido pelo movimento Que se Lixe a Troika, contou com outros grupos como os Precários Inflexíveis, a Associação de Aposentados, Pensionistas e Reformados (Apre!) e a Associação Internacional de Trabalhadores. Um vasto grupo de professores, encabeçado por uma faixa onde se lia “Em vez da banca, por que não resgatar o ensino público?”, esteve também presente no protesto, que começou pelas 15h30 no Campo dos Mártires da Pátria, na Cordoaria.

As fileiras do protesto foram depois engrossando à medida que o desfile percorreu os Clérigos, desceu até à Avenida dos Aliados e subiu até à praça em frente à Câmara Municipal do Porto.

“FMI fora daqui”, “Governo para a rua” e “O Povo unido jamais será vencido” foram algumas das palavras de ordem que marcaram o protesto. A manifestação foi, porém, mais patenteada pela palavra “demissão”, dirigida ao Governo e ostentada em centenas de cartazes.

Tomé Rodrigues, cinco anos, ostenta vigorosamente um megafone decorado a preceito. Dispara a palavra “demissão” repetidamente. “Eu quero que o Governo se vá embora”, diz de uma só vez ao PÚBLICO. Paulo Rodrigues, pai e professor de Educação Física explica: “O meu filho já deve ter mais manifestações que muitos adultos. Mas só vem porque quer. Sou professor e não sei se terei emprego para o ano”.

No protesto, marcaram presença pessoas de todas as idades. Um pouco mais à frente, Crescença Augusta, padeira reformada de 77 anos, concretizava o seu desejo num cartaz com um conselho em inglês: "troika go home". “Sei exactamente o que isto quer dizer, meu filho. Quer dizer troika vai para casa. Aquela menina ali à frente apanhou-me aqui [Clérigos], deu-mo, explicou-me o que queria dizer e agora merece que o leve. Agora tenho de ir até ao fim do protesto e vou”, diz.

Palhaços no protesto
No desfile até à Câmara do Porto, destaca-se um grupo de cinco palhaços. “Somos nós que estamos a ser roubados. Esta manifestação é contra a troika e contra o saque que estão a fazer. Estamos a pagar a tipos que nos estão a roubar. No fundo, nós é que somos uns palhaços”, diz Paulo Gonçalves, de 33 anos. Numa mão empenha um cartaz a dizer “demissão!”. “Isto é um conselho para um palhaço e desculpem-me os verdadeiros palhaços de profissão”, explica.

“O diálogo é fundamental, mas não é isso que está a acontecer. O Governo atenta ilegalmente contra as pensões de quem contribuiu toda a sua vida e mantém altas pensões não contributivas. Por isso, nesta altura só temos um conselho para este Governo: Demitam-se”, exortou Eduarda Neves, presidente da Assembleia-Geral da Apre!

Já Ricardo Castro, do movimento Que se Lixe a Troika, sublinhou a importância da manutenção destes protestos e disse terem estado na manifestação entre 2500 a três mil pessoas. A PSP, com um pequeno dispositivo no local, avançou outros números. “Estarão aqui pouco mais de mil pessoas”, disse o Comissário Hugo Rocha ao PÚBLICO.

Notícia corrigida às 15h15 de 2/06: no terceiro parágrafo corrigida a referência ao Campo dos Mártires da Pátria e não Campo Mártires da Liberdade.