Fundação Politécnico do Porto vai ser extinta e 23 pessoas despedidas

O Instituto Politécnico do Porto confirmou hoje que a Fundação Politécnico do Porto vai ser extinta e que 23 pessoas vão ser despedidas, como consequência de uma resolução do Conselho de Ministros que aconselhava a sua extinção.

Questionada pela agência Lusa sobre a decisão de extinguir a Fundação Politécnico do Porto, uma instituição de direito privado, fonte do Instituto Politécnico do Porto confirmou esta informação, sendo também certo o despedimento de 23 pessoas.

De acordo com a mesma fonte, “infelizmente o Politécnico do Porto não pode satisfazer a integração” dos trabalhadores, “ainda que tivesse necessidades no quadro de pessoal que poderiam ser satisfeitas com a 'mobilidade' de alguns destes funcionários”.

“Esta solução foi por diversas vezes colocada à tutela sem resposta positiva”, adianta.

Esta decisão é, segundo a mesma fonte oficial, “uma consequência do nº6 do Anexo I da Resolução do Conselho de Ministros n.º 79-A/2012, que aconselha a extinção de um conjunto de fundações, entre as quais se incluiu a Fundação Politécnico do Porto, completada pela Resolução do Conselho de Ministros nº13-A/2013 de 28 de Fevereiro”.

A 28 de Fevereiro, o Governo aprovou a resolução com a decisão final referente ao processo de censo às fundações, divulgado inicialmente em Setembro de 2012.

De acordo com o site oficial da fundação, esta “tem por missão a promoção do desenvolvimento e inovação nas áreas das tecnologias, da gestão, da educação, das artes e da cultura, com base nas competências residentes nas escolas e serviços do Instituto Politécnico do Porto, na perspectiva do seu contributo para o bem-estar social, designadamente na sua região envolvente”.