Brendan McDermid/Reuters
Foto
Brendan McDermid/Reuters

O estado da indústria dos videojogos

Os lucros da indústria subiram de forma magistral neste milénio, muitas empresas renovaram-se, e os quadros executivos mudaram. O que antigamente era gerido por programadores passou a ser orientado por executivos

Finalmente tivemos acesso ao todo o "hardware" desta geração. A Nintendo já tem a Wii-U no mercado e a Sony juntamente com a Microsoft já apresentaram as suas consolas com alguma polémica e resultados surpreendentes.

A Sony assim que apresentou a sua PS4 viu as acções da Nintendo subir. Enquanto, quando a Microsoft mostrou a Xbox one também viu as acções da concorrência subir (neste caso da Sony) e as vendas da Wii-U em 220%. Nas últimas semanas, a Nintendo veio dizer que na E3 nem vai fazer a tradicional grande conferência, cingindo-se somente a algumas mini-apresentações. Mas, o que se está a passar?

Queremos jogos e não números!

A verdade é que desde que os lucros da indústria subiram de forma magistral neste milénio, muitas empresas renovaram-se, e os quadros executivos mudaram. O que antigamente era gerido por programadores, "game designers" e jogadores, passou a ser orientado por executivos de fato e gravata, que desconhecem esta indústria, quanto muito conhecem outros ramos do entretenimento.

Tradicionalmente, qualquer outro tipo de ramo tem como prioridade agradar aos investidores e depois o público. Por isso é que nos últimos anos, quase todas as conferências baseiam-se em números e mostrar produtos globais que sejam familiares, sem assumir grandes riscos (Call of Duty, Super Mario, Halo, Killzone são normalmente jogos bons, mas saturantes no mercado).

Não que seja só um mal exclusivo das produtoras de hardware, olhem por exemplo, para a situação da SquareEnix cujas "franchisings" e "spin-offs" têm desiludido (quase) constantemente. O público especializado é deixado de lado e este normalmente questiona-se muito nas comunidades ou redes sociais, o rumo das suas empresas favoritas.


O questionamento afecta severamente o futuro dum jogo, não importa muito o dinheiro colocado em publicidade ou falar em números. O público dos videojogos não compra assim tão cegamente (vejam o caso do Alien Colonial Marines, muito paleio para um produto fraco, que culminou em revoltas dos jogadores e nas vendas fracas do título).

Uma indústria diferente 

A única empresa que ainda tem alguns membros relacionados com a indústria, é a Nintendo (Miyamoto e Iwata). Não é por isso surpreendente que sejam os primeiros a abandonar o modelo “conferência sobre os números” e ter assumido uma táctica mais próxima dos jogadores. Não só com a abordagem na próxima E3, mas também com os seus Nintendo Direct.

Será que a Sony e a Microsoft vão também mudar a forma de comunicar com o seu público? Ou vamos ter mais conferências sobre números, serviços pouco atraentes e apresentações de produtos saturantes? Afinal, só há uma coisa que o público deseja mesmo muito ver. Videojogos de qualidade sem mascar a pastilha das mesmas "franchisings" até a exaustão.