Advogados não sabem onde está jovem levado pela polícia numa vigília em Luanda

Chama-se Emiliano Catumbela, faz parte do Movimento Revolucionário, que contesta o poder angolano e quis assinalar o 1.º aniversário do desaparecimento de dois colegas desta organização com uma vigília.

Foto
Jovens organizaram vigília na capital de Angola Miguel Madeira

Os advogados do jovem detido na vigília pacífica de segunda-feira em Luanda não sabiam, ao princípio da tarde desta quarta-feira, onde ele se encontrava. Emiliano Catumbela foi levado pela polícia há dois dias, quando se encontrava na vigília realizada no Largo da Independência, na capital angolana, e nesta quarta-feira devia ser presente a um procurador, sob acusação de ofensas corporais contra a polícia nessa manifestação pacífica.

“O detido não está nas cadeias do Comando Provincial da Polícia Nacional nem na Procuradoria-Geral da República”, disse ao PÚBLICO Salvador Pereira, presidente da Associação Mãos Livres e um dos dois advogados do jovem. Desde terça-feira que o advogado tenta visitar Emiliano Catumbela.

“Não sabemos onde ele está”, acentua. A Procuradoria-Geral da República devolveu o processo e exigiu a presença do detido. E no Comando Provincial da Polícia Nacional disseram que ele não se encontrava ali. “Alguma coisa não está a ser esclarecida, mas acreditamos que o jovem esteja bem”, continua. Emiliano Catumbela devia ter tido acesso imediato a um advogado e não teve, acrescenta.

Catumbela é membro do Movimento Revolucionário, que reúne pessoas que contestam, desde 2011, o poder de José Eduardo dos Santos através de manifestações pacíficas, algumas reprimidas pela polícia. O mesmo movimento que organizou esta vigília, onde vários testemunhos dão conta de espancamentos a jovens e violência policial, que a polícia justifica com ofensas aos seus próprios agentes. Os contestatários desmentem. 

Pelo menos dez manifestantes foram detidos e depois libertados. Um teve alta na terça-feira à noite da clínica onde deu entrada com ferimentos. Os colegas do movimento dizem que foi vítima de violência policial. Chama-se Raul Lino. “Mandela” é o seu nome de luta.

Raptados sem deixar rasto
A vigília terá juntado poucas centenas de pessoas, diz ao PÚBLICO Adolfo Campos, do movimento, que continua a exigir a saída de José Eduardo dos Santos, “por excesso de tempo no poder” (34 anos) e “má governação”. Desta vez, porém, era mais importante lembrar os dois jovens desaparecidos há exactamente um ano – Alves Kamulingue, de 30 anos, e Isaías Cassule, de 34 anos, que eram activistas do Movimento Revolucionário e foram raptados sem deixar rasto. Além disso, o movimento não queria deixar passar em branco o aniversário do 27 de Maio de 1977, quando dezenas de milhares de pessoas desapareceram na repressão contra a acção do movimento fraccionista de Nito Alves e José Van Dunem, acusado de tentar derrubar o então Presidente Agostinho Neto.

Depois de a polícia dispersar a vigília, o advogado angolano David Mendes andou de esquadra em esquadra, à procura dos detidos. Momentos antes, testemunhara a presença de “uma centena de agentes da polícia, a cavalo ou com cães, e elementos da polícia antiterror, assistidos por helicópteros”.

A polícia montou uma barreira que impedia a passagem de grupos de jovens que iam chegando, conta o advogado, que chegou ao local quando começaram as detenções. “Até à meia-noite, uma grande área em redor esteve sob a vigilância da polícia canina e da polícia antiterror.”

Jovens foram levados em grupos pequenos
A Polícia Nacional não diz quantas pessoas deteve. E justifica a acção policial contra os manifestantes através dum comunicado citado pela Lusa. Nele explica que foi “forçada a intervir para persuadir um pequeno ajuntamento de jovens no Largo da Independência”, que pretendiam realizar “uma vigília não autorizada pelo Governo Provincial”, e acusa os presentes de “arremessaram pedras e outros objectos” contra os agentes, justificando assim a necessidade de “recolhê-los, em viaturas” e “dispersá-los noutros locais”.

Foram levados separadamente, em grupos pequenos e dispersos, confirma David Mendes. O objectivo, considera o advogado, era dispersá-los, para “que não houvesse forma de saber quantos foram detidos” no total.

Nesta vigília em Luanda, a “concentração de meios policiais” acima do que seria previsível explica-se, segundo o advogado angolano David Mendes, pelo simbolismo da data: 27 de Maio de 1977.

No ano passado, Alves Kamulingue, de 30 anos, foi raptado na Baixa de Luanda, quando se dirigia para uma manifestação de antigos combatentes que reclamavam o pagamento de pensões em atraso. Era ele mesmo antigo militar e membro do Movimento Revolucionário, que, pelo menos desde o início de 2011, contesta o poder de José Eduardo dos Santos.

Dois dias depois, a 29 de Maio, desaparecia o seu colega Isaías Cassule, de 34 anos. Um e outro continuam desaparecidos. Os familiares não têm qualquer informação da polícia. Amigos e colegas do Movimento Revolucionário têm poucas esperanças de que estejam vivos. “Estamos a exigir que sejam entregues à família, para um enterro condigno”, diz Adolfo Campos, uma das vozes do movimento que acreditam que os dois foram levados, nesse dia, pela polícia, que nega tê-lo feito.
 
 

Sugerir correcção