Globovisión despede jornalista que difundiu discurso do opositor venezuelano Henrique Capriles

"Contesto a censura que eles impõem", disse o animador do programa político Kico Bautista na sua conta do Twitter.

Foto
Kico Bautista na conferência de imprensa desta segunda-feira em que anunciou que tinha sido despedido pela nova direcção da Globovisión AFP

“Sugiro que recusem a política que tencionam levar a cabo os novos proprietários [da Globovisión]. Contesto a censura que eles impõem”, acrescentou Kico Bautista. O animador do programa Buenas Noches (Boa Noite), que junta crítica política e humor, tinha no sábado difundido, naquela que veio a ser a sua última emissão, um discurso proferido na véspera por Henrique Capriles, governador e principal líder da oposição.

Antes de denunciar a censura, Bautista deu conta do seu despedimento, no final de uma reunião que não durou sequer cinco minutos.

Também pelo Twitter, a mulher de Kico Bautista, Ibeyise Pacheco, disse que “a direcção da Globovisión não apreciou que Kico tivesse retransmitido as imagens do discurso de Capriles. Na sexta-feira, a direcção tinha despedido, segundo um comunicado publicado pela estação, o deputado da oposição Ismael Garcia, que intervinha igualmente na antena e tinha tornado pública na semana passada uma gravação áudio fazendo menção de desvios de fundos e um rumor de conluio no interior do poder “chavista” (fiel ao legado político do ex-Presidente Hugo Chavez, que morreu a 5 de Março deste ano).

Até à mudança de proprietários em meados de Maio, a Globovisión era o único canal do país que transmitia em directo os discursos do governador Capriles, que por duas vezes se candidatou e saiu derrotado em eleições presidenciais na Venezuela. Capriles continua a contestar o resultado das eleições de 14 de Abril, que perdeu por menos de 1,5% dos votos, e que deram a vitória ao candidato "chavista" Nicolás Maduro.

Depois da saída daqueles dois animadores, a Globovisión começou a ter uma quebra na quota de popularidade no Twitter, perdendo em poucos dias cerca de 300 mil inscritos, segundo o site www.twven.com.

A estação, que pertenceu durante 18 meses à família Zuloaga, foi vendida, depois de vários anos de tensões com o Governo, a homens de negócios locais, vistos por opositores e observadores como próximos do actual poder.