Caminhos-de-ferro alemães querem usar drones para prevenir os graffiti nos comboios

O assunto da vigilância de pessoas é sensível na Alemanha e poderá levantar problemas ao projecto.

Um drone com uma câmara, usado pela polícia nos EUA
Foto
Um drone com uma câmara, usado pela polícia nos EUA Chris Francescani/Reuters

A companhia de caminhos-de-ferro alemã Deutsche Bahn tenciona começar a ensaiar nas próximas semanas a utilização de drones com vista à redução da quantidade de graffiti nos comboios da empresa.

A ideia é colocar pequenos helicópteros não pilotados — mas controlados remotamente — a vigiar as estações e armazéns da Deutsche Bahn, detectando e filmando potenciais actos de vandalismo nas composições. Mais tarde, essas filmagens poderão servir para identificar e incriminar suspeitos em tribunal, de acordo com o jornal alemão Bild.

Cada helicóptero custará cerca de 60 mil euros, conta o The Local, e estará equipado com raios infra-vermelhos de modo a poder captar imagens durante a noite, período em que a pintura de graffiti é mais frequente.

“Temos de encontrar novas formas de combater os grafitti”, disse ao Bild o chefe de segurança da Deutsche Bahn, Gerd Neuback. Anualmente, a empresa gasta perto de 7,6 milhões de euros com a limpeza e recuperação de carruagens e outros equipamentos.

Apesar da solução agora experimentada, esta poderá gerar conflitos na Alemanha, alerta a BBC, que lembra as rígidas políticas de privacidade do país. A 22 de Abril, por exemplo, a Google foi multada pelo regulador de privacidade alemão devido a recolha ilegal de informação pessoal enquanto criava o serviço Street View.

Esse mesmo serviço foi alvo de muita contestação no país, tendo havido cerca de 200 mil pessoas a recusar que as suas casa aparecessem on-line.

Segundo a BBC, fonte da Deutsche Bahn garantiu que, para já, as filmagens dos drones serão confinadas somente a propriedade da companhia.