Marcelo diz que Conselho de Estado foi uma desilusão

Comentador dá razão a Cavaco na polémica com Miguel Sousa Tavares.

"É cada vez mais necessária uma remodelação no Governo", diz Marcelo Rebelo de Sousa
Foto
"É cada vez mais necessária uma remodelação no Governo", diz Marcelo Rebelo de Sousa Nuno Ferreira Santos

Marcelo Rebelo de Sousa considerou neste domingo que o Conselho de Estado da passada segunda-feira foi uma “grande desilusão” porque havia expectativas muito elevadas.

No seu habitual comentário na TVI, o antigo Presidente do PSD e conselheiro de Estado de Cavaco Silva, admitiu que os conselheiros disseram no Palácio de Belém o que dizem cá fora.

As muitas expectativas antes da realização da reunião e a longas horas que demorou, criaram muitas espectativas que acabaram em desilusão porque não houve nada de concreto, afirmou o comentador. “[Os portuguses] esperavam que se tirasse ou colocasse um coelho da cartola.”

Marcelo disse ainda que o comunicado final do Conselho não se percebe, mas garante está lá tudo o que diz respeito ao futuro de Portugal e da Europa.

O social-democrata não revelou se a possibilidade da realização de eleições antecipadas foi discutida no encontro com Cavaco Silva, mas lembrou que muitos, fora do Conselho, já exprimiram a sua opinião a favor e contra, dando a entender que o tema foi, de facto, discutido. E acrescentou que o Presidente da República é contra o cenário de legislativas antecipadas.

Marcelo acha que esse cenário não é desejável, nem deverá acontecer, e que nem Paulo Portas nem Passos Coelho querem sair como os “maus da fita” do Governo.

O comentador admitiu porém, que Passos deve pensar o mesmo que o seu pai, que afirmou que o primeiro-ministro está desejoso de sair do Governo, embora não acredite que ele deixe o Executivo.

Caso, no futuro e depois do final do seu mandato, Passos não avance para a liderança do PSD, o antigo líder diz que não faltam nomes para a sucessão, apontado os de Rui Rio e Paulo Rangel como principais candidatos.

Marcelo comentou também a polémica entre o Presidente e Miguel Sousa Tavares, que, numa entrevista, chamou “palhaço” a Cavaco. Para o comentador, não restava outra alternativa ao Presidente que não apresentar queixa ao Ministério Público.

O social-democrata disse que lhe fez “muita impressão” ter ouvido no sábado, na manifestação da CGTP, várias pessoas a chamarem “gatuno” ao Presidente da República. E perguntou: “O que é pior, chamarem gatuno ou palhaço?”, lembrando que as muitas pessoas que chamaram “gatuno” ao Presidente “não podiam ser identificadas uma a uma”. “A temperatura no país está muito elevada”, acrescentou.

Durante o seu comentário, Marcelo deu também como garantido o facto de Pedro Passos Coelho já ter acordado com a troika que a meta do défice para 2014 suba de 4 para 4,5%.