Curta de João Nicolau vence prémio na Quinzena dos Realizadores em Cannes

Foto
Gambozinos competia com oito curtas DR

Gambozinos do realizador português João Nicolau ganhou o Prix Illy para melhor curta-metragem na Quinzena dos Realizadores, uma das muitas iniciativas paralelas ao festival de Cannes que ontem à noite anunciou o seu palmarés.

O filme de João Nicolau competia com outras oito curtas-metragens. O júri do Prémio Illy da Quinzena de Realizadores (presidido por Carlo Bach e Louis Garrel) atribuiu ainda uma menção especial à curta Pouco mais de um mês, do realizador brasileiro André Novais Oliveira.

João Nicolau já tinha participado na Quinzena de Realizadores com as curtas Rapace (2006) e Canção de Amor e Saúde (2009).

O vencedor do prémio Art Cinema para uma longa-metragem foi para a comédia Les Garçons et Guillaumen, à table, do francês Guillaume Gallienne, filme que ganhou também o Prix SACD, galardão que recompensa uma longa-metragem francesa entre os filmes selecionados. Na primeira categoria o júri era composto por Uga Sniegowska, Anne-Juliette Jolivet e Thorsten Kleinschmidt, no segunda faziam parte Laurent Heynemann, Arthur Joffé, Jean Marboeuf e Christine Laurent.

O realizador suíço de ascendência portuguesa Basil da Cunha apresentou nesta competição, em estreia mundial, a longa-metragem Après la Nuit. No ano passado, Basil da Cunha, de 27 anos, levou à Quinzena dos Realizadores a curta Os vivos também choram, filme que lhe valeu uma menção honrosa. Em 2011, Basil da Cunha mostrara Nuvem na mesma secção.

The Selfish Giant, do britânico Clio Barnard, venceu o Label Europa Cinemas.

Criada pela Sociedade dos Realizadores de Filmes, a Quinzena dos Realizadores tem como objectivo descobrir filmes de jovens autores e dar reconhecimento a obras de realizadores mais experimentados.