Tornado de Oklahoma atingiu o grau máximo da escala

Operações de resgate continuaram durante a noite e responsáveis acreditam que já não há desaparecidos.

As operações de resgate estão perto do fim
As operações de resgate estão perto do fim Adrees Latif/Reuters
Rick Wilking/Reuters
Adrees Latif/Reuters
Benjamin Krain/Getty Images/AFP
Rick Wilking/Reuters
Benjamin Krain/Getty Images/AFP
Scott Olson/Getty Images/AFP
Scott Olson/Getty Images/AFP
Brad Loper/Dallas Morning News/MCT
Brad Loper/Dallas Morning News/MCT
Fotogaleria

O tornado que matou 24 pessoas, feriu cerca de 240 e deixou um rasto de destruição nos arredores de Oklahoma City, Estados Unidos, foi um EF-5, nível de maior destruição na escala que classifica a intensidade da destruição destes fenómenos

“Foi um tornado da categoria EF-5, o máximo na escala da classificação” [Fujita melhorada], com ventos superiores a 320 quilómetros por hora, confirmou à AFP Kelly Pirtle, do laboratório nacional de grandes tempestades da NOAA, a agência oceanográfica e atmosférica dos Estados Unidos. “Devido à dimensão dos estragos, determinámos que é um tornado de força EF-5”, explicou.

A classificação da força dos tornados, de EF-0 a EF-5, é definida pela escala Fujita Melhorada, a partir dos estragos causados. Inserem-se no grau mais elevado aqueles em que são destruídas e arrastadas construções com estruturas fortes ou lançados projécteis do tamanho de carros a mais de 100 metros.

O tornado de Oklahoma que arrasou casas, duas escolas e um hospital foi inicialmente classificado como EF-4, o que significaria uma velocidade de ventos entre os 260 e os 320 quilómetros por hora.

As operações de resgate continuaram durante a noite e os responsáveis acreditam que já não há desaparecidos. “Tanto quanto sei, da lista de pessoa que temos estão todos localizados”, disse Brian Maughan, comissário do condado de Oklahoma, citado pela Reuters. As equipas de socorro retiraram mais 100 pessoas dos escombros.

Jerry Lojka, porta-voz dos serviços de emergência de Oklahoma, disse que equipas de salvamento com cães procurarão ainda nesta quarta-feira eventuais pessoas presas em destroços, mas acrescrentou que o essencial dos esforços será concentrado na limpeza.

Os Estados Unidos são, segundo a NOAA, o país do mundo mais afectado por tornados – em média 1200 por ano – e Oklahoma City é a cidade onde se registaram mais tornados no país. Mas “apenas 2% atingem este nível”, explicou Andrew Barrett, meteorologista da Universidade de Reading, Reino Unido, citado pela AFP.

O tornado de segunda-feira à tarde foi o número 150 naquela área metropolitana, segundo uma lista da NOAA com eventos desde 1893. Nos tornados anteriores, somados, morreram no total 153 pessoas.

Oklahoma City detém o recorde do tornado com a maior rajada de vento. Foi em 1999, numa tempestade que também varreu a localidade de Moore, a mais afectada nesta segunda-feira. Naquele episódio, os ventos chegaram a 486 quilómetros por hora – “os mais fortes jamais encontrados à superfície da Terra”, segundo uma lista de perguntas frequentes do Centro de Previsão de Tempestades da NOAA.