Orquestra Sinfónica do Porto Casa da Música vai descer à Avenida dos Aliados

Programação do evento Verão na Casa Super Bock vai decorrer de 1 de Junho a 7 de Setembro, e contar com mais de 70 concertos.

A Orquestra Sinfónica do Porto abre e fecha o calendário de Verão da Casa da Música
Foto
A Orquestra Sinfónica do Porto abre e fecha o calendário de Verão da Casa da Música DR

Porque está em Ano Itália, e porque acredita que este ano a meteorologia vai proporcionar um Verão tradicional aos portuenses, a direcção artística da Casa da Música (CdM) deu o subtítulo La Dolce Vita à programação da instituição para os meses de Junho, Julho, início de Agosto e primeiro fim-de-semana de Setembro.

Porque está em Ano Itália, e porque acredita que este ano a meteorologia vai proporcionar um Verão tradicional aos portuenses, a direcção artística da Casa da Música (CdM) deu o subtítulo La Dolce Vita à programação da instituição para os meses de Junho, Julho, início de Agosto e primeiro fim-de-semana de Setembro. É um programa marcado pela “diversidade e pela diversão”, que António Jorge Pacheco, director artístico da CdM, hoje divulgou na presença de representantes dos três patrocinadores do evento: a Super Bock, o BPI e a Porto Lazer.

O concerto de abertura, a 1 de Junho, vai ser dedicado ao Dia Mundial da Criança, com a Orquestra Sinfónica do Porto a tocar Pedro e o Lobo e outras fábulas. A actriz e figura da televisão Catarina Furtado vai ser a narradara da história de Prokofieff, e o actor João Reis cumprirá idêntico papel na peça de Luís Tinoco Contos Fantásticos.

No encerramento deste Verão na Casa Super Bock, a 7 de Setembro, a mesma Orquestra Casa da Música, de novo dirigida pelo maestro português Pedro Neves, vai descer à Baixa portuense para um concerto em plena Avenida dos Aliados, integrado na programação do evento da Porto Lazer, 1ª Avenida. No programa, saliente-se a 5.ª Sinfonia de Beethoven, mas também árias de óperas de Puccini, Rossini e Verdi, interpretadas por Carlos Cardoso, “um promissor tenor português”, salienta António Jorge Pacheco.

Ainda cortesia Porto Lazer/1.ª Avenida, os Aliados vão acolher na véspera, dia 6, um concerto da Orquestra de Jazz de Matosinhos, dirigida por Pedro Guedes e Carlos Azevedo.

Entre estes dois fins-de-semana, o Verão na Casa Super Bock vai contar com mais de 70 concertos (quase metade dos quais na Sala Suggia), um terço deles de acesso gratuito – é o caso de tudo o que acontecer na tradicional esplanada ao ar livre, que hoje estava já a ser montada junto à escadaria do edifício de Rem Koolhaas.

A programação vai contemplar os vários géneros e envolver as diferentes estruturas da CdM. António Jorge Pacheco começou por destacar o elenco de “grandes vozes do mundo”, que começa pelo regresso ao Porto da cantora americana de jazz, Dee Dee Bridgewater (8 de Junho); a belga Selah Sue (3 de Julho), eleita artista revelação de 2012 pela Rolling Stone; Buika (7 de Julho), nascida em Maiorca filha de refugiados políticos da Guiné Equatorial, que associa o flamenco com o jazz e os blues, e que colaborou com Pedro Almodóvar no filme A Pele Que Eu Habito (2011).

Do lado dos portugueses, haverá Sérgio Godinho (15 de Junho), com o seu novo espectáculo Caríssimas Canções; Camané (29 de Junho), a cantar temas novos, acompanhado por convidados algo inesperados, o pianista Mário Laginha e a banda Dead Combo; e outra fadista, Cuca Roseta (11 Julho), com o seu novo disco, Raiz.

No campo da world music, o director artístico da CdM chamou a atenção para a presença do duo Amadou & Mariam (16 de Julho), vindo do Mali, e que actuou ao lado de Shakira e Alicia Keys na abertura do Mundial de Futebol da África do Sul (2010); do trio Arnaldo Antunes-Toumani Diabaté-Edgard Scandurra (21 de Julho), com o espectáculo A Curva da Cintura, que associa o rock brasileiro com as torrentes melódicas da kora do Mali; e o cantor paquistanês Asif Ali Khan (24 de Julho), com a música coral e hipnótica do seu país.

Outros nomes internacionais a reter na programação: a banda britânica PIL, cabeça de cartaz do próximo Optimus Clubbing (22 de Junho), que traz ao Porto um membro dos lendários Sex Pistols, John Lydon, figura do movimento pós-punk; o regresso do pianista e compositor inglês Michael O Piano Nyman (26 de Junho), para um concerto a solo; o norte-americano Devendra Banhart (2 de Agosto), com o seu novo álbum, Mala. E o DJ americano Jeff Mills (20 de Julho), que regressa ao Porto para um concerto com a Sinfónica para apresentar uma versão orquestrada da sua caixa de ritmos e sintetizadores.

Nos 18 concertos anunciados de música clássica, a presença mais constante será mesmo a da Orquestra Sinfónica, que, para além dos concertos já referidos, interpretará a obra de Luís de Freitas Branco Paraísos Artificiais, e a Sinfonia Manfred, de Tchaikovski (7 de Junho); voltará a este mestre russo, e também a Rachmaninoff (14 de Junho); e fará o tradicional (e gratuito) Concerto de São João (23 de Junho), com um programa dedicado à música italiana.

Destaque ainda para novo programa de música Made in Italy, contemporânea, com o Remix Ensemble (11 de Junho), e para a 3.ª edição do Prémio Internacional Suggia (23 e 24 de Junho).

A esplanada junto à Casa estará em actividade todas as semanas de quinta a sábado, e este palco será especialmente dedicado às bandas e nomes emergentes da música.

Seguindo também a tradição dos últimos anos, no último fim-de-semana de Julho realiza-se o Encontro de Bandas Filarmónicas, com sete concertos e um desfile com bandas vindas de todo o país.