De Paços à Luz: 90 minutos para decidir o campeão

Foto
O FC Porto é a equipa mais bem posicionada para festejar a conquista do título nacional HRVOJE POLAN/AFP

FC Porto ou Benfica? O PÚBLICO acompanha em directo os jogos decisivos deste domingo a partir das 18:30. Pela 28.ª vez o campeão nacional só será definido na última jornada.

Vítor Pereira e Jorge Jesus, ambos treinadores campeões de Portugal, já experimentaram diferentes sensações esta época. O técnico do FC Porto chegou a dar o campeonato como perdido, o do Benfica foi todo ele confiança até à derrota no Dragão. No último fim-de-semana tudo mudou e as posições inverteram-se. No Dragão, foi Vítor Pereira que festejou como nunca um golo tardio a poucos metros de um Jorge Jesus ajoelhado perante o desaire inevitável, imagem marcante desta liga portuguesa que hoje chega ao fim. Ainda há um título de campeão para entregar e esse decide-se em dois campos. No Estádio da Luz e na Mata Real (com o nome oficial Estádio Capital do Móvel), vão ser 90 minutos para acrescentar mais uma linha ao palmarés de FC Porto ou Benfica: será o 27.º título dos dragões ou o 33.º das águias.

Tudo já foi dito e escrito sobre este campeonato. Um dos mais emocionantes de sempre, com um volte-face nas últimas duas semanas devido à falta de fôlego do Benfica frente ao Estoril e FC Porto, depois de ter liderado o campeonato e mantindo constância de resultados quando eram os azuis e brancos a escorregar. Uma época de equilíbrio constante para decidir na última jornada. É o FC Porto quem está na frente, com uma vantagem de um ponto para defender no terreno do Paços de Ferreira, já com o terceiro lugar (e a presença no play-off da Liga dos Campeões) garantido. Já o Benfica fecha o seu campeonato em casa frente ao Moreirense, aflito na luta pela manutenção.

Matemática simples

A matemática desta decisão é simples. Ao FC Porto basta ganhar, o Benfica precisa de ganhar e esperar que os dragões percam pontos. Os portistas até podem nem precisar de ganhar se os "encarnados" não conquistarem os três pontos na Luz. No histórico de confrontos entre FC Porto e Paços, o resultado mais normal é uma vitória portista (24 em 32 jogos, mais seis empates), sendo que os pacenses já conseguiram vencer por duas vezes, ambas na Mata Real, ambas por 1-0 e ambas na fase final dos encontros (em 2000-01, com um golo de Leonardo aos 89", e em 2002-03, com golo de Cadú aos 90"+2").

Já entre Benfica e Moreirense, o histórico resume-se a dez jogos, com um saldo francamente favorável aos "encarnados": sete vitórias e três empates, sendo que a formação minhota já conseguiu pontuar por duas vezes na Luz, em duas época consecutivas (2002-03 e 2003-04) e com o mesmo resultado (1-1). Se se repetirem os resultados da primeira volta, fica tudo na mesma. À 15.ª ronda, o FC Porto venceu em casa por 2-0, tal como o Benfica fez em Moreira de Cónegos.

A história joga contra o Benfica. Em 27 vezes em que se se chegou à última jornada com o título de campeão por entregar, apenas uma vez o líder não foi campeão. Mas a excepção a esta regra foi benéfica aos "encarnados". Aconteceu em 1955. A vítima foi o Belenenses, a quem o Sporting tirou o título, não em proveito próprio, mas para o clube da Luz. Nesse ano, o campeonato também se jogava em dois campoes, nas Salésias, com um Belenenses-Sporting, e na Luz, com um Benfica-Atlético. O triunfo belenense parecia seguro, mas um golo de Martins aos 86" fixou o resultado num empate (2-2) e ofereceu o título ao Benfica, que cumpria o seu papel e vencia o Atlético em casa por 3-0.

Hábito de ganhar

Para Vítor Pereira, ao FC Porto basta ser igual a si mesmo, o que é o mesmo que dizer, basta ganhar. "Temos que ganhar, mas isso está-nos no sangue. É com essa mentalidade que lá vamos. Unicamente focados na vitória", diz o técnico portista, que pode sagrar-se hoje bicampeão, tornando-se no nono treinador a alcançar este feito no FC Porto, e o quinto português depois de Artur Jorge, Jesualdo Ferreira, José Mourinho e António Oliveira.

Mas Vítor Pereira está longe de considerar que a vitória frente ao Paços é um dado adquirido: "Temos todos a consciência - treinadores e jogadores, administração e massa associativa - que o jogo em Paços de Ferreira não será fácil. É ponto assente. Ao avaliar a época do Paços, é unânime a opinião de que fez, com mérito, uma época brilhante. Do ponto de visita individual, tem belíssimos executantes. Colectivamente, têm um trabalho brilhante, muito graças aos seus treinadores."

Se, há duas semanas, Vítor Pereira classificava este campeonato como "sujinho, sujinho, sujinho", ontem o técnico portista falou deste como "o campeonato mais espetacular dos últimos anos". "Pelo futebol que se viu e porque, a uma jornada do fim, ainda está tudo em aberto, desde o campeão a quem desce. Mesmo o terceiro lugar só ficou decidido na jornada passada. Se calhar não foi, de facto, o mais tradicional, mas não compreendo quem diz que foi fraco porque o Sporting ou o SC Braga não estiveram tão bem ou nos lugares que normalmente ocupam. Foi um campeonato muito competitivo, quem disser o contrário está enganado", disse.

Elogio a Jesus

E, depois de uma época pródiga em recados, Vítor Pereira deixou elogios ao treinador do Benfica. "Jorge Jesus é um grande treinador, disso não tenho dúvidas. E essa competição, entre os dois lados, só faz de mim melhor treinador também. Quanto maior a competitividade, mais se evolui, e tenho a certeza que isso também me ajudou a aprender e a crescer", referiu Pereira, treinador de futuro ainda incerto no Dragão. Mas, sobre isso, ele não quis falar: Neste momento não sinto necessidade de falar de mim próprio."

Jorge Jesus ainda não dá o campeonato por perdido, mas reconhece que será complicado.

"Temos de esperar pelo resultado do nosso rival. Enquanto há vida, há esperança. O Paços está a fazer uma carreira surpreendente, mas conseguiu concretizar os seus objectivos na jornada anterior, é natural que esta tenha sido uma semana de festa. O Benfica ainda não terminou a época, tem de a terminar bem, no dia 26 vamos estar na final da Taça e temos de continuar a sonhar. Perdemos um sonho [final da Liga Europa perdida para o Chelsea], temos outro para conquistar [Taça de Portugal] e outro que não está dependente de nós", admitiu o técnico

O treinador "encarnado" garante que não irá transmitir a evolução do Paços-FC Porto para os seus jogadores - "acho que não vou precisar de transmitir nada e com o ambiente no estádio os jogadores vão sentir isso" - e diz que as surpresas ainda podem acontecer: "Tenho muita experiência de últimos jogos, de as coisas mudarem de um minuto para o outro. Já passei por isso em várias situações, tentar dar as indicações melhores para que as coisas nos corram bem. O Moreirense é uma equipa que merecia estar na I Liga e tenho muito respeito pelos seus profissionais. Mas o Benfica também precisa de pontos."

Apesar de não dar ainda uma certeza absoluta, Jorge Jesus deixou ontem mais uma indicação de que o seu futuro não irá depender do desfecho deste campeonado, depois de, em Amesterdão, ter dito após a final que tinha de "pensar em muita coisa". O técnico do Benfica disse que tinha sido uma reacção emocional depois da demonstração de apoio dos adeptos e que está próximo o entendimento com Luís Filipe Vieira: "Aquilo que eu e o presidente estamos a fazer vai dar certo."

Sugerir correcção