Portas: “Sou politicamente incompatível com TSU dos pensionistas"

Líder do CDS defende-se das críticas por causa da taxa sobre pensões e diz que “o limite não foi ultrapassado”.

Foto
Paulo Portas Miguel Manso

“Eu sou politicamente incompatível com essa TSU dos pensionistas, por razões de justiça social, por razões de impacto económico e até por razões de prudência jurídica”, disse Portas, referindo-se à taxa de sustentabilidade que ficou definida no acordo com a troika.

Deixando claro que não aceitará a colocação em prática desta medida, Portas disse que “há um limite" que "não foi ultrapassado": "Sei que há um limite, trabalhei com os meus colegas do Governo para que esse limite não fosse ultrapassado. Não foi, e penso que não será", disse o líder do CDS, garantindo: "Tenho uma palavra e não duas".

“O Governo trabalhou arduamente durante a sua concertação com a troika para que essa taxa deixasse de ser uma obrigação do Estado português e, na verdade, conseguimos todos que ela passasse a ser meramente opcional”, explicou Portas, fazendo questão de "dar esta palavra de sossego a 3,5 milhões de pensionistas da CGA e da Segurança Social".

Num discurso na Câmara de Comércio Luso-Alemã, Portas salientou ainda a necessidade de “compromisso permanente” quando existe um Governo de coligação. “Tenho seguido esse método e o meu parceiro de coligação também”, disse Portas, em declarações difundidas pela TVI.

O ministro dos Negócios Estrangeiros sublinhou ainda a urgência de “consenso político para a reforma do IRC”, de modo a que os investidores não tenham dúvidas sobre o que esperar do nosso país.

A contribuição de sustentabilidade apresentada pelo primeiro-ministro no dia 3 de Maio abrange todos os pensionistas e permitiria arrecadar 436 milhões de euros já no próximo ano. Esta contribuição destinava-se a substituir a contribuição extraordinária de solidariedade (a CES) que neste ano está a ser aplicada às pensões da função pública, do sector privado e fundos de pensões acima de 1350 euros.