Peregrino do futebol morreu no início de uma caminhada de 16 mil quilómetros

Norte-americano de 42 anos queria ligar EUA ao Brasil com uma bola nos pés em nome de um projecto de solidariedade. Foi atropelado ao fim de 14 dias.

Foto
Swanson tinha 42 anos. Deixa dois filhos Breakaway Brazil/Facebook

Richard Swanson, 42 anos, tinha um sonho: ir a pé de Seattle ao Brasil com uma bola de futebol nos pés, numa viagem de 16 mil quilómetros que deveria terminar em 2014, a tempo do Mundial que se jogará naquele país. Mas a viagem e o sonho foram interrompidos ao fim de 14 dias. Swanson foi atropelado na terça-feira, a 418 km de casa, e morreu.

A iniciativa integrava-se num projecto de solidariedade social, chamado One World Futbol. A missão deste projecto é levar o futebol a comunidades desfavorecidas em todo o mundo, oferecendo bolas que se distinguem por serem indestrutíveis, que nunca se esvaziam nem precisam de ser enchidas. Esta ideia nasceu quando o fundador Tim Jahnigen se deparou com uma reportagem de miúdos do Darfur a jogarem futebol com uma bola de trapos. Jahnigen concebeu então uma bola especial, de cor azul. O projecto ganhou asas quando foi apresentado ao músico e cantor Sting, que financiou o desenvolvimento da bola,

Era em nome deste esforço que Richard Swanson, pai de dois rapazes, de 22 e 18 anos, e designer gráfico de profissão, saiu de casa, no estado de Washington, para uma caminhada que deveria passar por 11 países como México, Nicarágua e Colômbia e que terminaria em São Paulo. Porém, o infortúnio surgiu nos arredores de Lincoln City, estado de Oregon. Richard foi colhido por uma carrinha pick up, segundo relata a agência norte-americana Associated Press,  cerca das 10h de terça-feira, quando caminhava na Highway 101. O óbito foi declarado no hospital. O condutor do veículo que o atropelou não foi acusado.

“É com o coração pesado que informamos que Richard Swanson morreu nesta manhã”, lê-se numa mensagem publicada na terça-feira à noite na página “Breakaway Brazil”, no Facebook. “A equipa, a família e amigos sentirão a falta dele. Nos nossos corações, chegaste ao Brasil”, lê-se, num curto texto assinado pela equipa do homem que foi apelidado de peregrino do futebol.