Correio normal enviado de Coimbra para Coimbra vai ter de passar por Lisboa

Funcionários que estão em greve nesta sexta-feira dizem que já há cartas a demorar quatro e cinco dias a atravessar a cidade.

Empresa garante que greve de trabalhadores de Coimbra não irá gerar "atrasos relevantes"
Foto
Empresa garante que greve de trabalhadores de Coimbra não irá gerar "atrasos relevantes" DR

Grande parte das cartas entregues em Coimbra, com destinatário na mesma cidade, vão ter que passar a ir a Lisboa antes de serem recebidas. A excepção será apenas para o correio azul e para as cartas registadas. Isto porque a partir de segunda-feira vão ser transferidos para a capital parte dos serviços realizados pelo Centro de Produção e Logística do Centro dos CTT, cujos trabalhadores estão nesta sexta-feira em greve.

António Pereira, da direcção do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Correios e Telecomunicações (SNTCT), diz que a mudança deixou 17 funcionários fora da escala, uma situação que preocupa os dirigentes sindicais. “A empresa garante que não vai despedir ninguém e que vamos receber outros serviços, mas ainda não há data marcada para isso acontecer”, diz o sindicalista. Numa nota enviada ao PÚBLICO, a administração dos CTT diz que já na próxima terça-feira, 14 de Maio, começam as acções de formação que habilitarão os trabalhadores a desempenhar funções na vídeo-codificação. “O objectivo da reorganização em curso é melhorar a eficiência da rede operacional dos CTT e assim garantir a sustentabilidade da empresa”, afirmam os CTT.

A greve e a manifestação no centro de Coimbra serviram para os trabalhadores defenderem “o serviço público” prestado pelos CTT. Algumas cartas, as de tamanho maior, já passaram no mês passado a ser tratadas em Lisboa, o que gera atrasos na distribuição. “Temos tido muitas reclamações porque parte do correio enviado de Coimbra com destino à mesma cidade já demora quatro a cinco dias a chegar”, afirma António Pereira.

O encerramento de estações de correio em Coimbra é outra preocupação do SNTCT. “Segundo as últimas informações, na cidade de Coimbra, onde existem 13 estações de correios, vão continuar abertas apenas três”, precisa.

Numa nota enviada ao PÚBLICO, a administração dos CTT concentra-se na questão da transferência de serviços. “A reorganização em curso consiste na manutenção neste centro das operações de logística e de tratamento de correio prioritário e na transferência para outras instalações dos correios do tratamento manual e mecanizado de correio normal”, diz a empresa. E acrescenta que serão transferidos de Lisboa para Coimbra os "serviços de vídeo-codificação de correspondência e também do serviço mail-manager, que consiste na digitalização de grandes volumes de correio, ambos exigindo mão-de-obra intensiva”. Os CTT garantem ainda que pretendem manter o Centro Logístico dos Correios de Coimbra em funcionamento, desmentindo qualquer intenção de encerramento.

António Pereira diz que houve uma grande adesão à greve e contabiliza: “Dos 64 trabalhadores do turno da noite, o mais importante, só trabalharam dois”. Isto, diz, atrasará a entrega de algum correio, nomeadamento o azul e as cartas registadas, que continuam a ser tratadas em Coimbra. Já a administração dos CTT estimava que “a greve terá um impacto nulo ou residual no serviço aos clientes”, já que abrangeu apenas a central logística, deixando de fora o Centro de Distribuição Postal, de onde saem os carteiros. E remata: “As lojas dos correios funcionarão com normalidade e os carteiros farão os seus giros como habitualmente; e prevê-se que a correspondência não seja objecto de atrasos relevantes”.