Ferreira Leite diz que “andamos a fazer sacrifícios em nome de nada”

Antiga presidente do PSD volta tecer duras críticas ao Governo e diz que só com uma “varinha mágica” o executivo “transforma uma abóbora numa carruagem”.

Ferreira Leite elogiou a Sociedade Histórica da Independência de Portugal
Foto
Ferreira Leite elogiou a Sociedade Histórica da Independência de Portugal Foto: Adriano Miranda

Manuela Ferreira Leite classificou nesta quinta-feira o Documento de Estratégia Orçamental (DEO) 2014-2017 do Governo como “histórias para contar aos netos” e afirmou que as políticas que estão a ser seguidas pelo executivo conduzem a “um verdadeiro desastre”.

No seu habitual comentário no programa Política Mesmo, na TVI24, a antiga presidente do PSD voltou a tecer duras críticas ao Governo e em especial ao ministro das Finanças, Vítor Gaspar.

Classificando o documento do Governo como sendo de natureza teórica, Ferreira Leite diz que foi feito de acordo “com os objectivos que a troika impôs” e, depois, “construíram-se os indicadores de forma a encaixar” naqueles objectivos. “Foi um exercício feito de pernas para o ar.”

A social-democrata falou mesmo em “números verdadeiramente irrealistas”, em “sacrifícios em nome de nada” e acrescentou: “É preciso ter uma varinha mágica para transformar uma abóbora numa carruagem.”

A antiga ministra das Finanças manifestou-se ainda “chocada” por, no DEO, Vítor Gaspar “dizer mal de Portugal” em documentos internacionais e afirmar que tudo “foi errado e irresponsável”.

Afirmando que o grande problema é a política que está a ser seguida, Manuela Ferreira Leite acrescentou que o Governo apresentou há pouco tempo medidas para o crescimento que o DEO agora vem matar.

A social-democrata afirmou ainda que o documento revelado por Vítor Gaspar na terça-feira no Parlamento de nada serve sem se conhecerem as medidas de corte na despesa, que vão ser reveladas nesta sexta-feira por Passos Coelho às 20h.

Ferreira Leite disse também que o DEO é “um documento verdadeiramente técnico” que “nem para uma tese de doutoramento serve”, porque “não tem uma adesão à realidade”.

A antiga líder do PSD voltou a afirmar que a estratégia do Governo “não é exequível”, pois o Governo não vai poder cumprir aquilo que está a prometer.

Colocando dúvidas sobre quase tudo o que tem sido dito por Passos Coelho e Vítor Gaspar nos últimos dias, Ferreira Leite pôs em causa o facto haver funcionários públicos a mais e colocou o acento tónico no facto de a pobreza já ter chegado “a quem tem emprego” para mais uma vez criticar o Governo.