CGTP marca protesto para 25 de Maio em Belém e para dia 30 em todo o país

Milhares de portugueses nas ruas, com muitas críticas ao Governo.

Fotogaleria
Imagem da manifestação da CGTP Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
CGTP e UGT alinham nas críticas ao Governo
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio
Fotogaleria
Rui Gaudêncio

Num momento difícil para o país e para os trabalhadores, milhares de pessoas celebraram o 1.º de Maio nas ruas de Portugal, com Lisboa a concentrar as principais iniciativas das centrais sindicais.

A manifestação da CGTP seguiu do Martim Moniz para Alameda D. Afonso Henriques, juntando milhares de pessoas. Quando a cabeça da manifestação começava a subir a Avenida Almirante Reis, Arménio Carlos mostrava-se satisfeito: “Toda a gente me diz que está mais gente do que no ano passado”, comentou o secretário-geral da CGTP ao PÚBLICO.

Após um desfile em que os reformados estavam em maioria, Arménio Carlos anunciou um protesto para 25 de Maio (um sábado) em frente ao Palácio de Belém, para pedir a demissão do Governo. E anunciou também um protesto nacional para 30 de Maio (uma quinta-feira, em que deveria ser celebrado o feriado do Corpo de Deus), em várias cidades do país, contra o roubo dos feriados e o trabalho gratuito.

Com a diminuição do número de feriados e férias, Arménio Carlos diz poderem estar em causa “98 mil postos de trabalho”. “O que é que isto [redução de feriados] tem a ver com o défice e com a dívida? Rigorosamente nada. O que é que tem a ver com a competitividade? Rigorosamente nada porque as empresas não vão vender mais, o seu problema é que as pessoas não têm dinheiro para comprar”, argumentou.

O líder da CGTP, por outro lado, garantiu que só está disponível para o consenso se for para a “responsabilização dos que estando à frente de empresas públicas celebraram contratos ruinosos e dos ministros que lhes deram cobertura”.

A UGT, por sua vez, fez o habitual desfile do Marquês de Pombal até aos Restauradores.

Com muita música e a avenida cheia, uma das palavras de ordem mais ouvidas foi “melhor economia, mais emprego”. Carlos Silva pediu, aliás, uma política voltada para o crescimento económico e garantiu de novo que a central sindical estará “sempre do lado dos trabalhadores”.

O novo líder fez um apelo à unidade no movimento sindical, mas recusou estar de “mão estendida” à CGTP. “O namoro não pode ser só de um lado, tem de ter dois”, enfatizou em declarações ao PÚBLICO.

A festa da UGT ficou inicialmente marcada pelas críticas do ex-presidente João de Deus, que considerou “preocupantes as mensagens” da organização no seu último congresso e acusou a nova direcção de estar “de mão estendida” à CGTP, numa linha de “sindicalismo partidário e de bota-abaixo”.

João Proença, o ex-secretário-geral, afirmou não ter conhecimento das declarações de João de Deus. "Não concordo mas não me quero envolver nessas matérias". Evocando o lema cantado  "diálogo social sim, imposição não", Proença considera que esta "é uma linha que a central deve continuar a afirmar e na prática são as palavras de ordem escolhidas pela direcção".

"A UGT pode ter grande esperança na afirmação da nova direcção"  acrescentou Proença, garantindo que "a linha da central é a mesma mas adaptada à realidade que vai mudando".

Quanto ao número de pessoas que saíram à rua, o ex-secretário-geral da UGT considerou a adesão muito positiva "num momento de dificuldades" marcado por uma "atitude de profundo desânimo": "O 1.º de Maio é um dia de afirmação da capacidade de luta dos trabalhadores."

Protestos também no Porto
No Porto, também saíram à rua milhares de pessoas, na Avenida dos Aliados, no Porto, a reivindicar mudanças de política e de Governo, reporta a Lusa.

“Está na hora deste Governo ir embora” e “no Governo e em Belém não presta ninguém” são algumas das palavras de ordem mais gritadas pelos manifestantes e aos microfones da organização, a cargo da União dos Sindicatos do Porto.

Em Coimbra, informa a Lusa, cerca de meio milhar de pessoas manifestaram-se contra as políticas governamentais, numa iniciativa promovida pela União de Sindicatos de Coimbra (USC), afecta à CGTP.

A manifestação, que ligou a Praça da República à Praça 8 de Maio, na baixa da cidade, estendeu-se pela avenida Sá da Bandeira, encabeçada por dois ranchos folclóricos e mostrando manifestantes silenciosos em várias partes do percurso, que iam sendo incentivados com palavras de ordem debitadas por três carros de som incluídos no desfile.

"Porventura em função dos problemas, dos cortes dos salários e subsídios, de uma política de austeridade que tem levado as pessoas ao empobrecimento, que tem causado miséria no país, certamente era para termos aqui milhares de pessoas a encherem as ruas da cidade. Não temos porque também as pessoas andam cansadas", disse à agência Lusa António Moreira, coordenador da USC.

Frisou, no entanto, que pelos contactos que os sindicatos possuem nas empresas verificam o desânimo dos trabalhadores, "muitos resignados de que não há outra alternativa".

"Mas há. Há alternativas para combater o défice das contas públicas sem ter de cortar nos salários e na protecção social", afirmou António Moreira. com Lusa