Expedição parte em Maio à descoberta do ‘continente de plástico’ do Pacífico

Francês Patrick Deixonne lidera equipa que pretende estudar zona de acumulação de lixo com uma área maior do que a da Índia

fenómeno da acumulação de lixo no oceano foi descoberto em 1997 por Charles Moore
Foto
fenómeno da acumulação de lixo no oceano foi descoberto em 1997 por Charles Moore REUTERS/Alex Hofford/Greenpeace/Handout

Um ano após uma tentativa falhada, uma expedição vai partir em Maio à descoberta do “7.º continente”, uma gigantesca placa de detritos de plástico que flutua no Pacífico, maior do que a Índia, mas ainda pouco conhecida.

O líder da expedição, o explorador francês Patrick Deixonne, de 48 anos, descobriu o fenómeno em 2009 quando participava numa travessia solitária a remo. “Eu via todos os resíduos de plástico que andavam à deriva à minha volta. Fiquei admirado e perguntei-me: ‘mas onde vai tudo isto?’”, disse Deixonne, em declarações à AFP.

Quando regressou a terra, o antigo sapador bombeiro da Guiana Francesa documentou-se e encontrou a resposta: os detritos plásticos amalgamavam-se num ponto de encontro de correntes marítimas que se enrolam por efeito da rotação da Terra e formam um imenso vórtex a que se chama “giro”.

No total, milhões de toneladas de detritos provenientes das costas e dos rios flutuam nos cinco principais giros, repartidos por todos os oceanos, com a força centrípeta a atraí-los para o centro.

Esta enorme ‘sopa’ é essencialmente composta de micro detritos de plástico decomposto em suspensão à superfície da água, por vezes até 30 metros de profundidade, pelo que é muito difícil detetá-la em observações por satélite, sendo apenas visível no local, em embarcações.

Segundo a agência espacial francesa que apadrinhou a missão ao “7.º continente”, o Giro do Pacífico Norte, entre a Califórnia e o Havai, é um dos maiores do planeta, com uma superfície de cerca de 3,4 milhões de quilómetros quadrados. Mas, como se encontra em águas de pouco interesse para a navegação comercial e o turismo, “o problema só interessa aos ecologistas e aos cientistas”, lamentou Patrick Deixonne.

Desde que foi fortuitamente descoberta pelo oceanógrafo norte-americano Charles Moore em 1997, esta placa de detritos só foi alvo de alguns estudos que visavam estudar o impacto da poluição sobre os oceanos e a sua fauna. Membro da sociedade de exploradores franceses, Patrick Deixonne quer agora chamar a atenção para esta “catástrofe ecológica” e para isso vai até ao local fazer observações científicas e captar imagens.

A expedição deve partir a 20 de Maio de Oceanside, no sul da Califórnia, com destino ao giro e realizando medições ao longo do percurso para comparar a concentração e a natureza dos detritos, explicou. A missão deverá acontecer precisamente um ano depois de uma outra expedição, que ironicamente falhou devido a incidentes relacionados com detritos de plástico.

Mesmo antes de o barco partir da Califórnia, um saco de plástico bloqueou a bomba de água do barco de 1938 fretado por Patrick Deixonne. Depois, restos de um fio de pesca em nylon danificaram o seu leme no Golfo do México. Sensível à missão e ao desaire de Patrick Deixonne em 2012, o Yacht Club de Oceanside decidiu este ano associar-se à expedição, cedendo graciosamente um potente barco a motor e três tripulantes.

Sugerir correcção