Vai nascer energia debaixo dos pés e das rodas dos carros numa passadeira da Covilhã

Foto
Energia gerada vai alimentar painel luminoso de informação

Tecnologia portuguesa aproveita a energia cinética de peões e veículos para produzir energia eléctrica

Peões que geram energia para abastecer painéis luminosos. Carros que, ao travarem, alimentam os semáforos. A tecnologia que torna isto possível não é nova mas só agora vai sair do laboratório para uma rua da Covilhã. O ambiente agradece e a autarquia poupa na factura da luz.

A ideia nasceu há cerca de quatro anos nas cabeças de Filipe Casimiro, de 27 anos, e Francisco Duarte, de 29, enquanto acabavam o curso de Engenharia Electromecânica na Universidade da Beira Interior (UBI), naquela cidade do distrito de Castelo Branco. Desde que decidiram concretizá-la, em 2010, ganharam três prémios pela inovação e criaram uma empresa, a Waydip, para a desenvolver.

A tecnologia, designada Wayenergy, permite converter a energia cinética, associada ao movimento da passagem de pessoas e veículos, em electricidade. "O conceito de geração de electricidade através da energia do movimento já existia. A tecnologia que permite fazer a conversão é que é nova, fizemos o registo da patente a nível mundial", afirma Duarte.

Depois de algum tempo a desenvolver protótipos em laboratório, o sistema vai agora ser testado pela primeira vez em ambiente real na passadeira de acesso ao Hospital de Pêro da Covilhã, que fica na principal avenida de entrada na cidade. A experiência começa em Maio. Junto à passadeira será instalado no passeio o sistema Wayenergy People, que aproveita a electricidade assim gerada com o movimento de peões, para alimentar um painel luminoso de informação. "Quando não há pessoas para atravessar, o painel está desligado", explica o engenheiro electromecânico. Sob as lombas que antecedem a passadeira, será instalada a tecnologia Wayenergy Vehicles, para produzir energia com a passagem e travagem dos carros. Esta será utilizada na iluminação dos semáforos.

O peso é factor determinante: quanto mais pesado for o elemento que passa sobre o piso, mais energia é gerada. Cada placa ou mosaico do sistema tem incorporados pequenos motores que, quando são pressionados, produzem energia, que é acumulada em baterias. A que não for utilizada fica armazenada. "Para já, a energia serve para consumo local mas dentro de dois ou três meses o objectivo é vender à rede eléctrica", acrescenta Francisco Duarte.

A experiência permitirá acompanhar o comportamento do sistema, analisar a quantidade de energia produzida e a poupança de CO2 daí resultante, e fazer eventuais ajustes. O teste serve também para a câmara, parceira no projecto, apurar o número de carros que passam na Alameda de Pêro da Covilhã. "Vamos analisar se podemos vir a instalar aquela ferramenta noutros locais e assim diminuir a factura da iluminação pública da cidade", explica Pedro Farromba, vice-presidente da autarquia.

Se tudo correr bem, os fundadores da Waydip, onde trabalham cinco pessoas, querem conquistar outros mercados com a aplicação do sistema em locais muito frequentados, como centros comerciais, ginásios ou discotecas. Este nicho está a ser explorado lá fora: por exemplo, em Londres (Reino Unido) e em Roterdão (Holanda) duas discotecas estão desde 2008 a aproveitar a energia gerada pelo movimento dos clientes na pista de dança, equipada com um piso piezoeléctrico, para a transformar em electricidade que alimenta o sistema de som. A tecnologia já lhe valeu prémios e o reconhecimento, pela Kauffman Foundation, como uma das 50 start-ups mais promissoras no mundo. A empresa, que quer internacionalizar-se, está instalada no Parkurbis - Parque de Ciência e Tecnologia da Covilhã e tem o apoio da UBI.