Ex-árbitro Jorge Coroado candidato do PS a mega-freguesia de Oeiras

Segunda experiência política. Vai liderar a lista à nova freguesia que junta Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias.

Foto
Jorge Coroado DR

É bancário, comentador de arbitragem e estudante de Direito. E agora avança para a segunda candidatura autárquica pelo PS, de que é militante desde 2008. O antigo árbitro de futebol Jorge Coroado vai ser o candidato socialista à junta da união das freguesias de Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias.

Depois de ter sido derrotado pela coligação PSD/CDS nas eleições de 2009 para a junta de freguesia dos Anjos (Lisboa), Jorge Coroado avança para uma segunda experiência política, desta vez em Oeiras, o concelho onde nasceu e ainda reside.

“É um concelho que conheço desde garoto. Sei as evoluções e também o que de menos bem foi feito”, disse Jorge Coroado ao PÚBLICO para justificar a sua segunda aventura política. “É o desejo de colaborar com os meus.”

Aos 57 anos, Coroado candidata-se a uma mega-junta que resulta da união de três freguesias. “Estamos a falar de cerca de dois terços do eleitorado de Oeiras, quase 58 mil pessoas. É um mini-concelho”, diz o candidato socialista, preocupado com “a dispersão” provocada pela fusão de freguesias.

Jorge Coroado, que foi árbitro entre 1975 e 1991, manteve-se ligado ao futebol após o fim de carreira, principalmente como comentador de arbitragem (escreve regularmente no jornal O Jogo) e foi também vice-presidente da mesa da assembleia geral do Belenenses (e depois presidente durante um curto período, em 2008).

Bancário de profissão, Jorge Coroado vai manter as suas actuais actividades, incluindo a frequência do curso de Direito na Universidade de Lusófona de Lisboa. “Não me deram equivalências”, ironizou o ex-árbitro, lembrando o caso da licenciatura de Miguel Relvas.

Questionado sobre o que pode acrescentar à política, Jorge Coroado respondeu que a “juventude precisa de acompanhamento e incentivo, com base na experiência e não em experiencialismos”. “Os conhecimentos enquanto árbitro internacional e os contactos que fiz nas muitas viagens ao estrangeiro permitiram-me recolher experiência e ensinamentos que penso que poderei aplicar, especialmente agora que atravessamos uma situação crítica”.