Foto

Duas Faces vence prémio Bronze do Brands of the World 2012

Empresa foi distinguida com o prémio Bronze do Brands of the World 2012 pelo logótipo do Fórum Cultural de Gulpilhares

A Duas Faces, empresa de Design e Comunicação sediada no Porto, ganhou o prémio Bronze, na categoria Música, do Brands of The World 2012, com o logótipo criado para o Fórum Cultural de Gulpilhares, em Vila Nova de Gaia. 

 

Desde 2010 que o site “Brands Of The World” distingue com ouro, prata e bronze, em várias categorias, os melhores trabalhos em "branding" e design de logótipos nas mais diversas áreas.

PÚBLICO -
Foto
Este foi o logótipo criado pela Duas Faces que foi premiado

Além disso, é um dos maiores sites de "branding" do mundo, com mais de quatro milhões de visitas por mês e mais de 500 000 utilizadores registados, o que o torna, por isso, referência a nível mundial.

Sérgio Duarte, fundador e designer da Duas Faces, diz que “o prémio foi importante” porque “veio credibilizar ainda mais” o trabalho desenvolvido pela empresa. Mas não acredita que o prémio possa aumentar as encomendas: “Eu não senti que tivéssemos com este prémio mais afluência, mas senti que os nossos clientes ficaram espantados e começaram a solicitar mais a nossa opinião.”

Os diversos trabalhos foram analisados por um júri constituído por: Armin Vit (UnderConsideration, EUA), David Blanchet (Logopond, EUA), Calvin Lee (Mayhem Studios, EUA) e Zoltán Csordás (Csordi.hu, Húngria). 

Criou o próprio emprego

A empresa foi fundado por Sérgio Duarte numa altura em que estava desempregado. Há quatro anos, decidiu criar o seu próprio emprego e agora conta com a colaboração de um criativo e de um programador. Sendo uma pequena empresa, a Duas Faces opera apenas no mercado nacional.

Sérgio sabe que em Portugal “o design não é entendido como um bem de primeira necessidade”. E uma das grandes dificuldades por que passam", explica, é a falta de credibilidade, “porque, geralmente, as pessoas nunca questionam o diagnóstico de um médico, mas o trabalho do designer é sempre questionado”.