Portas presente na tomada de posse dos novos secretários de Estado

Cerimónia decorreu nesta segunda-feira no Palácio de Belém. Portas não faltou.

Fotogaleria
Desta vez, Paulo Portas esteve em Belém Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Álvaro Santos Pereira e Poiares Maduro Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Passos Coelho Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Marques Guedes, Aguiar-Branco, Portas, Miguel Macedo e Castro Almeida Nuno Ferreira Santos
Fotogaleria
Portas muito sorridente Nuno Ferreira Santos

Paulo Portas, que faltou à tomada de posse dos novos ministros e secretários de Estado a 13 de Abril, esteve nesta segunda-feira na tomada de posse dos novos cinco secretários de Estado.

Francisco Almeida Leite, jornalista e que já tinha sido nomeado por este Governo para administrador do Instituto Camões, tomou posse como secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação.

Berta Cabral vai para o cargo de secretária de Estado Adjunta e da Defesa Nacional e Fernando Alexandre para o cargo de secretário de Estado Adjunto do ministro da Administração Interna.

Já António Leitão Amaro vai ocupar cargo de secretário de Estado da Administração Local e Castro Almeida o de secretário de Estado do Desenvolvimento Regional.

São exonerados o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Luís Brites Pereira, o secretário de Estado Adjunto e da Defesa Nacional, Paulo Braga Lino, e o secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, Juvenal Silva Peneda.

Entretanto, Paulo Portas, agradeceu nesta segunda-feira a “colaboração intensa” de Luís Brites Pereira, que abandona funções como secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros da Cooperação.

Numa nota oficial, Paulo Portas destaca, nos “vinte meses de trabalho conjunto” com Luís Brites Pereira, “a definição conceptual da estratégia para a cooperação, o acompanhamento da fusão entre o Camões e o Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento.

Luís Brites Pereira enviou também uma nota à comunicação social na qual diz terminar funções “com o sentimento de dever cumprido no plano da cooperação portuguesa e na ajuda pública ao desenvolvimento”.