Mais velho dos irmãos Tsarnaev foi investigado em 2011 pelo FBI

Averiguações foram feitas a pedido de um governo estrangeiro que suspeitava que o jovem de origem tchetchena era seguidor do Islão radical. FBI não encontrou indícios que confirmassem suspeita.

Tamerlan no final de um torneio de boxe, em 2010, no estado do Massachusetts
Foto
Tamerlan no final de um torneio de boxe, em 2010, no estado do Massachusetts Julia Malakie/The Sun of Lowell/Reuters

O FBI confirmou que, no início de 2011, investigou suspeitas levantadas por “um governo estrangeiro” sobre Tamerlan Tsarnaev, o mais velho dos dois irmãos acusados da autoria dos atentados contra a maratona de Boston. Na altura, as averiguações não encontraram nada de suspeito e o caso foi arquivado.

A revelação foi feita após a captura de Dzhokar Tsarnaev, de 19 anos, no final de um dia de intensa caça ao homem que levou as autoridades a colocarem em estado de sítio boa parte da área metropolitana de Boston.

Em comunicado, a polícia federal norte-americana não revela qual foi o país na origem das suspeitas, mas tudo leva a crer que o pedido enviado às autoridades norte-americanas tenha partido da Rússia, para onde o Tamerlan Tsarnaev viajou meses depois, alegadamente para visitar os pais, oriundos da Tchetchénia e actualmente a residir na vizinha república autónoma do Daguestão.  

Segundo o FBI, o pedido de averiguações referia que Tamerlan “era um seguidor do Islão radical” que teria “mudado drasticamente desde 2010” e se preparava para “viajar até à região do dito país para se juntar a grupos ilegais não especificados”. Agentes federais questionaram o jovem, então com 24 anos, e alguns familiares, passaram em revista as suas comunicações, “eventuais ligações a pessoas suspeitas, os seus registos de viagens e percurso académico”. “O FBI não encontrou qualquer indício de actividade terrorista, interna ou externa, e esses dados foram fornecidos ao Governo estrangeiro no Verão de 2011”, lê-se no comunicado, adiantando que depois disso não recebeu mais informações sobre o jovem.

A notícia de que Tamerlan já tinha estado sob o radar dos serviços federais, sem que tenha levantado suspeitas, promete revelar-se, ainda assim, um embaraço para o FBI. Ouvido pela CNN, o presidente do comité de Segurança Interno da Câmara dos Representantes, o congressista republicano Michael McCaul, classificou a notícia de “muito preocupante” e prometeu pedir explicações.

O jornal New York Times adianta que responsáveis norte-americanos tentam agora apurar exactamente o que fez e com quem se encontrou Tamerlan quando, no início de 2012, viajou para a Rússia. O pai dos dois rapazes garante, porém, que o jovem passou a maior parte do tempo na casa da família em Makhachkala, a capital do Daguestão. Em entrevista à agência russa RIA-Novosti, Anzor Tsarnaev confirma que foi com o filho à Tchetchénia mas apenas “para visitar familiares”. Durante toda a estadia “só esteve em contacto comigo e com os primos dele”.

Na entrevista, Anzor e a mulher, dizem não acreditar que os dois rapazes sejam os responsáveis pelos atentados de Boston e sugerem mesmo que possam ter sido incriminados. “Eles sabiam tudo o que o meu filho fazia, todos os sites que ele visitava, seguiam todos os seus movimentos”, afirmou Zubeidat Tsarnaeva, acusando o FBI de “ter medo de Tamerlan porque ele era um líder, sabia defender-se e falava muito sobre o Islão”.