Consumo de drogas e álcool baixou em 2012

Estudo encomendado pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências monitorizou consumos declarados entre a população com idades entre os 15 e os 74 anos.

Fotogaleria
Fotogaleria

O consumo de drogas e de álcool diminuiu em 2012. Dados preliminares do II Inquérito Nacional ao Consumo de Substâncias Psicoactivas na População, elaborado pelo Centro de Estudos de Sociologia da Universidade Nova de Lisboa, mostram que os consumos de substâncias ilícitas estabilizaram ou baixaram ligeiramente nos últimos cinco anos.

Considerando o consumo de qualquer substância ilícita ao longo da vida (experimentação), a prevalência era de 7,8% em 2001, subiu para 12% em 2007 e baixou para os 9,9% em 2012. As excepções a esta descida foram o ecstasy e o LSD, onde os consumos correntes se mantiveram estáveis.

A descida mais notória, porém, deu-se no álcool. A prevalência do consumo declarado ao longo de vida situou-se nos 74% — abaixo dos valores registados em 2007 (79,1%) mas igualmente em 2001 (75,6%).

Sintoma da crise?

Se é por causa da crise ou resultado das medidas de prevenção, é algo que o presidente do Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e nas Dependências (SICAD), João Goulão, não consegue diagnosticar. “Queremos crer que o nosso trabalho preventivo tem contribuído para a diminuição dos consumos, mas não sei em que medida a diminuição do poder de compra dos portugueses terá tido algum peso nesta redução.”

A redução dos consumos contrasta com o verificado nalguns dos países mais fortemente fustigados pela crise, como a Grécia. “Aí os dados apontam para um recrudescimento de problemas, como a sida, mas isso deve-se à retirada abrupta de respostas no terreno, o que em Portugal não aconteceu. Todos vivemos com constrangimentos, mas o Governo teve a sensibilidade de manter dotações orçamentais para esta área que são razoáveis, no contexto em que estamos a viver”, sublinha João Goulão.

Encomendado pelo ex-Instituto da Droga e da Toxicodependência (agora SICAD), o estudo em causa visa monitorizar os consumos de substâncias psicoactivas lícitas e ilícitas entre os portugueses com idades entre os 15 e os 74 anos. Foi feito em 2001, depois em 2007 e também em 2012. Neste último ano, abarcou também a relação dos portugueses com o jogo, a religião e a participação cívica e política, mas, por razões de ordem financeira, a amostra foi substancialmente reduzida: de 15 mil entrevistas em 2001 e 2007 para apenas seis mil em 2012.