Lágrimas no dia em que o ministro confirmou morte do estaleiro de Viana

Comissão de Trabalhadores reuniu-se com o ministro da Defesa um dia depois de ter sido suspensa?a privatização. “Um murro no estômago”, afirmou o coordenador da organização, após um plenário

PS defende um modelo de privatização parcial dos ENVC
Foto
PS defende um modelo de privatização parcial dos ENVC Nelson Garrido

No período de dois anos, a Comissão de Trabalhadores (CT) dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) e o ministro da Defesa (que tutela a empresa) nunca se tinham encontrado. A primeira reunião ocorreu nesta sexta-feira, no Porto, e logo para levar um “bom murro no estômago”, como descreveu o responsável da CT, António Costa.

A expressão foi usada no final de um plenário de trabalhadores, quando o porta-voz da CT descrevia aos jornalistas o que tinha sentido quando ouviu da boca do ministro Aguiar-Branco o anúncio da “liquidação” dos ENVC. A notícia, comunicada aos colegas no plenário, deixou marcas. No final do dia de trabalho, os 620 trabalhadores picaram o ponto, em silêncio, cabisbaixos, emocionados e recusando qualquer declaração aos jornalistas.

A manutenção dos postos de trabalho não está garantida: “Esse é nosso principal problema”, afirmou António Costa. Visivelmente abalado, o porta-voz dos trabalhadores remeteu a explicação para as declarações de Aguiar Branco. O ministro anunciou o lançamento de um concurso público internacional para a subconcessão dos terrenos ocupados pela empresa, podendo o vencedor assumir uma parte ou a totalidade dos actuais postos de trabalho.

“Em relação aos postos de trabalho, acreditamos que da subconcessão possa haver a absorção do maior número possível. Mas nós nunca podemos dar garantias”, tinha afirmado o ministro da Defesa.

Aguiar-Branco pediu o encontro para explicar o modelo de gestão que o Governo prevê para a empresa, depois de, na véspera, ter anunciado o cancelamento do processo de reprivatização. Os representantes dos trabalhadores deslocaram-se ao Porto, onde o governante cumpria uma visita oficial, mas arrependeram-se. “Não sabíamos ao que íamos, senão nunca teríamos aceite”, desabafou outro elemento da CT.

À porta da empresa, onde habitualmente fala à comunicação social, as lágrimas cortaram várias vezes o pensamento ao porta-voz dos trabalhadores quando apelava à mobilização da população em defesa da jóia da cidade. António Costa não se conforma com a situação e adiantou que “não pode ser uma multa de 180 milhões de euros de Bruxelas a acabar com 70 anos de história”.

“Estamos a falar do encerramento premeditado da empresa. É uma forma diplomática de o fazer. Mas nós estamos aqui para lutar pelos estaleiros, uma empresa que custou muitas vidas para criar”, afirmou António Costa, que anunciou que a CT vai pedir uma reunião ao presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso. Revoltado, apelou ao primeiro-ministro para a realização de uma auditoria financeira às contas da empresa.

“Se são precisos 180 milhões de euros, a gestão danosa dos últimos 15 a 20 anos na empresa já representou muito mais do que isso. Exigimos a responsabilização das administrações que nos levaram a esta situação ou os milhões de euros nas contrapartidas dos submarinos que lesaram a nossa empresa”, sublinhou.

António Costa afirmou que “só fala agora das contrapartidas dos submarinos porque é obrigado”, face à decisão do Governo de extinguir a empresa. “Nós não queríamos estar a colocar o senhor ministro de Estado, o dr. Paulo Portas [que assinou o contrato de compra dos submarinos], em questão. Mas isto tem que ser tudo averiguado. Não podemos continuar a compactuar com este tipo de comportamentos. Todas as administrações que por cá passaram lesaram a nossa empresa e que vão até à barra dos tribunais. Que digam para onde foram os milhões que vieram para os estaleiros.”

Os trabalhadores vão, ainda, solicitar reuniões a vários responsáveis, além de Durão Barroso, entre outros, ao Presidente da República.

Apesar do desânimo que se instalou em Viana, para Aguiar-Branco não há outra solução. Ou os ENVC devolvem os 180 milhões de euros de ajudas recebidas entre 2006 e 2011 “ou não podem prosseguir na sua actividade”. Uma situação, explicou, que decorre da “averiguação que foi feita pela DGCom (Direc��ão-Geral da Concorrência da União Europeia)”, a qual terá concluído que a empresa recebeu ajudas estatais ilegais durante aquele período.

Foi por isso, referiu Aguiar-Branco, que o Governo anulou o processo que visava reprivatizar os ENVC e optou, em alternativa, por “um concurso público para a venda quer do navio Atlântida, quer de material que existe nos estaleiros”, e pela “subconcessão dos terrenos” que actualmente são ocupados pela unidade. Segundo o entendimento de Portugal, explicou à Lusa fonte governamental, a Comissão Europeia defende a devolução dos apoios públicos concedidos à empresa, por alegadamente terem colocado em causa as regras comunitárias da concorrência, ou, em alternativa, o seu encerramento, para que nenhuma entidade utilize futuramente esses benefícios, como poderia acontecer no anterior cenário de reprivatização.