Morreu Storm Thorgerson, o Pink Floyd que não era músico

O criador das capas de Dark Side of the Moon e Wish You Were Here morreu ontem aos 69 anos

Fotogaleria
1968 Pink Floyd A Saucerful of Secrets
Fotogaleria
1970 Pink Floyd Atom Heart Mother
Fotogaleria
1970 Syd Barrett The Madcap Laughs
Fotogaleria
1971 The Nice Elegy
Fotogaleria
1973 Led Zeppelin Houses of the Holy
Fotogaleria
1973 Pink Floyd Dark Side of the Moon
Fotogaleria
1975 10cc How Dare You
Fotogaleria
1975 Pink Floyd Wish You Were Here
Fotogaleria
1976 Black Sabbath Technical Ecstasy
Fotogaleria
1977 Peter Gabriel Peter Gabriel
Fotogaleria
1977 Pink Floyd Animals
Fotogaleria
1979 Peter Gabriel Peter Gabriel
Fotogaleria
1997 Ween The Mollusk
Fotogaleria
2003 Muse Absolution
Fotogaleria
2003 The Mars Volta Jelly Head

Não era músico nem discutia música. “Limitava-se” a ouvi-la muito atentamente, a investigar as letras para mergulhar no imaginário, a falar com os seus autores para perceber os mecanismos da criação. Não era músico, repetimos, mas a sua obra é indistinguível da música da década de 1970, em especial a gravada pelos Pink Floyd. Storm Thorgerson, autor das capas de Dark Side of the Moon e Wish You Were Here, morreu ontem, aos 69 anos, na sequência de um cancro, anunciou a família em comunicado.

“Foi uma energia constante na minha vida, tanto no trabalho como em privado, um ombro onde chorar e um grande amigo”, escreveu o guitarrista David Gilmour em comunicado. “A arte gráfica que criou para os Pink Floyd desde 1968 até ao presente foi uma componente inseparável do nosso trabalho.” Não é a emoção do momento a falar por Gilmour. Storm Thorgerson, um dos fundadores da Hipgnosis, o colectivo de arte gráfica que co-fundou com Aubrey Powell em 1967, tornou-se praticamente um espelho das ambições conceptuais do rock progressivo dos anos 1970 e uma marca autoral reconhecida bem para além do género. Foi porém com os Pink Floyd que o trabalho de Storm Thorgerson, nascido em Potters Bar, no Norte de Londres, a 28 de Fevereiro de 1944, brilhou mais intensamente. Algo que, conhecendo os seus métodos, se explica facilmente. Disse o seguinte à Rolling Stone, em 2011: “Não tenho muito a dizer sobre a música. Gosto dela, e absorvo-a. [...] O meu trabalho é reinterpretá-la.”

Como escrevemos acima, Thorgerson, que ao longo de 40 anos desenhou capas para Led Zeppelin, Black Sabbath, 10CC, Peter Gabriel ou Muse, ouvia e lia as letras com atenção e falava demoradamente com os músicos sobre as suas ideias, de forma a definir claramente a sua interpretação gráfica da música. E Thorgerson compreendia intimamente os Pink Floyd. Foi colega de escola de Syd Barrett e Roger Waters em Cambridge e manteve desde a adolescência uma forte amizade com David Gilmour.

Estudante de Inglês e Filosofia, foi atraído pelo cinema, o seu primeiro grande interesse, antes de se concentrar nas artes gráficas. Já estudante na Royal College of Art, em Londres, fundou a Hipgnosis, que teve como primeiro grande trabalho a capa de Saucerful of Secrets, o segundo álbum dos Pink Floyd. Indefinida entre a viagem cósmica e um bucolismo expressionista, a capa representava na perfeição a estética e o imaginário da era psicadélica e tornou a Hipgnosis e, por arrasto, Storm Thorgerson, muito procurada pelo meio musical.

Apontando como influências maiores Man Ray, Magritte, Kandinsky ou Ansel Adams, ou seja, fotógrafos de vanguarda e das grandes paisagens, pintores surrealistas e expressionistas, Thorgerson gostava de explorar “a ambiguidade e a contradição”, de ser “perturbador de uma forma gentil”. “Uso elementos reais de forma irreal”, cita o obituário do Guardian. Curiosamente, a sua capa mais célebre, o prisma de Dark Side of the Moon, é a mais simples e a mais distante daquela ideia. Nasceu, segundo Thorgerson, de uma provocação de Richard Wright. Este ter-lhe-á dito, recordou à Rolling Stone: “Vamos não usar uma das tuas fotos? Já utilizámos fotos antes. E que tal uma mudança? Uma ideia gráfica porreira – qualquer coisa vistosa, graciosa, elegante.”

Inspirado em parte pelos jogos de luz nos concertos dos Pink Floyd, nasceu a mais icónica capa da banda. “É uma boa ideia, mas simples. A luz refractada através de um prisma, como num arco-íris, é um acontecimento comum na natureza. Gostava de reclamar [a autoria da ideia], mas infelizmente não é minha”, afirmou à BBC em 2009.

Para além do trabalho com os Pink Floyd, criou para os Led Zeppelin a famosa capa de Houses of the Holy, a das crianças nuas numa paisagem surreal, alienígena, e deu a Peter Gabriel o retrato liquefeito que surge no terceiro álbum a solo do ex-Genesis. A partir da década de 1980, assinou também vídeos musicais para nomes como os Pink Floyd (obviamente), Yes, Rainbow ou Robert Plant. Mais recentemente, foi o autor de capas para álbuns dos Muse ou Mars Volta. Terá assinado mais de 300 ao longo da carreira.

No comunicado emitido por David Gilmour, o guitarrista recorda as tardes da adolescência passadas nas margens do rio em Cambridge, com Thorgerson “explodindo em ideias e entusiasmo”. Homem fiel aos seus métodos tradicionais – “prefiro o computador na minha cabeça ao na minha secretária”, cita-o o Guardian – não se intimidava com a escala da sua ambição. Para Animals, o álbum de 1977 dos Pink Floyd, fotografou um porco insuflável flutuando sobre uma central eléctrica – o porco gigante soltou-se e foi uma ameaça para os aviões que chegavam e partiam de Heathrow. Dez anos depois, para Momentary Lapse of Reason reuniu várias centenas de camas numa praia, um trabalho que considerou mais tarde uma verdadeira “loucura” – a equipa que acompanhou todos os percalços da empreitada concordaria certamente.

Foi aquela vontade de não se conter perante o que a música suscitava, perante as soluções que a imaginação encontrava que o tornou um nome emblemático da música da década de 1970. Ainda que não fosse músico.