Beckham com 76 dias de solidariedade em atraso

O internacional inglês prometeu doar o seu ordenado a instituições de caridade infantil. A seis semanas para o campeonato francês terminar, ainda não doou um cêntimo.

David beckham no dia da sua apresentação como jogador do PSG
Foto
David Beckham, no dia da sua apresentação como jogador do PSG Philippe Wojazer/Reuters

No dia 31 de Janeiro, David Beckham foi apresentado como jogador do Paris Saint-Germain. O internacional inglês assinava um contrato com o clube francês com a duração de seis meses e garantia um salário que motivou a indignação de muitos. Qualquer coisa como 200 mil euros por semana. Mas Beckham nem deu tempo a que as críticas ganhassem corpo. Na conferência de imprensa da sua apresentação, revelou que doaria todo o seu ordenado a uma instituição de caridade parisiense que trabalhasse com crianças. Só que, até ao momento, nem um cêntimo foi doado.

Já passaram dez semanas desde o dia em que Beckham chegou à cidade-luz, quase três meses, e as crianças necessitadas de Paris continuam à espera, segundo uma investigação levada a cabo pelo jornal britânico The Independent.

“Pensei que seria uma excelente ideia doar o meu ordenado a uma instituição de caridade que trabalhasse com crianças em Paris. É algo que não sei se já foi feito antes. É um tema que me sensibiliza bastante, as crianças e a componente de solidariedade, e ao clube também”, afirmou Beckham a 31 de Janeiro, na conferência de imprensa da sua apresentação, no Parque dos Príncipes.

Só que, até agora... nada. “Ainda nenhuma decisão foi tomada. Estamos a considerar várias hipóteses”, declarou Yann Guerin, porta-voz do PSG ao jornal inglês, quando foi questionado sobre o assunto, não esclarecendo se está prevista alguma resolução para breve.

Nesta terça-feira, e poucos dias depois do trabalho feito pelo jornal britânico, o periódico francês Le Parisien noticiava que Beckham já tinha decidido doar 500 mil euros ao hospital Necker, que trabalha com crianças afectadas por doenças raras. Uma outra instituição, cujo nome não foi revelado, receberia uma verba inferior. Só que, até ao momento, a doação não foi confirmada. Um porta-voz do hospital disse apenas que esperava que a notícia do Le Parisien fosse verdadeira.

Inúmeras instituições de apoio a crianças carenciadas escreveram ao clube parisiense depois do anúncio de Beckham, mas a única resposta que tiveram foi uma minuta informando-as de que seriam contactadas posteriormente, o que não sucedeu até agora.

Apesar do desejo de David Beckham de doar o seu salário, o antigo internacional foi obrigado pela lei francesa a receber, pelo menos 2200 euros (brutos), para poder jogar em França.

Inicialmente, David Beckham não queria receber salário, mas o fisco francês obrigou-o. Se não ganhar no mínimo 2200 euros brutos mensais, não terá licença para jogar na sua nova equipa, o Paris Saint-Germain (PSG).

Certo é que faltam seis semanas para o fim do campeonato francês e poucos mais dias para que o contrato de Beckham com o PSG termine (fim de Junho). O clube já deu a entender que gostaria de o prolongar por uma temporada, mas o futebolista ainda não se decidiu.

Notícia alterada às 15h12, acrescentando a ligação à notícia do PÚBLICO sobre a imposição do fisco francês no que diz respeito ao ordenado de Beckham.

Sugerir correcção