Ministros da Defesa de Portugal e Roménia querem concluir negócio dos F16 até Junho

A venda de aviões caças F16 à Roménia deverá abrir portas para uma cooperação entre os países ao nível de forças militares e de apoio técnico.

Aguiar-Branco diz que comentadores são adversário corrosivo
Foto
Aguiar-Branco diz que comentadores são adversário corrosivo

Os ministros da Defesa português e romeno concordaram esta terça-feira em prosseguir com as negociações para a compra de aviões F16 a Portugal pela Roménia, estabelecendo como “objectivo desejável” a sua conclusão até ao final de Junho.

“Os dois ministros fizeram um ponto da situação sobre as conversações técnicas, desenvolvidas até ao momento por ambas as partes. Os mesmos concordaram prosseguir as negociações, tendo estabelecido como objectivo desejável a sua conclusão até ao final do próximo mês de Junho”, anunciou o Ministério da Defesa português, em comunicado.

O “processo da aquisição por parte da Roménia de aviões F16 a Portugal” foi objecto de “especial atenção” na agenda da visita do ministro da Defesa romeno, Mircea Dusa, a Portugal, a convite do seu homólogo português, José Pedro Aguiar-Branco.

Os governantes dos dois países “reiteraram que Portugal e a Roménia são parceiros sólidos na área da defesa e concordaram em retomar as reuniões do Comité Misto de Defesa romeno-português”, acrescenta o comunicado. Por outro lado, o ministro da Defesa Nacional transmitiu o “interesse da Roménia no desenvolvimento da cooperação ao nível de forças militares, da instrução, de estágios e de apoio técnico”.

Os governantes debateram “assuntos relacionados com o Afeganistão, a Cimeira de Chicago da NATO e a Política Comum de Segurança e Defesa da União Europeia”, assim como “temas relacionadas com a agenda do Conselho de Negócios Estrangeiros da UE, em formato de ministros da Defesa, a ter lugar no Luxemburgo nos dias 22 e 23 de Abril de 2013”, informou ainda o Ministério da Defesa em comunicado.

No início de Janeiro, o ministro da Defesa, Aguiar-Branco, afirmou que decorria um processo para a venda de caças F16, tendo apontado a Bulgária, além da Roménia, como interessados na compra dos aviões portugueses.