Gonçalo Ribeiro Telles não vai estar presente na cerimónia de entrega do prémio, sendo representado por Miguel Braula Reis
Foto
Gonçalo Ribeiro Telles não vai estar presente na cerimónia de entrega do prémio, sendo representado por Miguel Braula Reis

"Nobel" da arquitectura paisagista para Ribeiro Telles

O arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles foi esta quarta-feira distinguido com o "Nobel" da arquitectura paisagista, o Prémio Sir Geoffrey Jellicoe, atribuído na Nova Zelândia

O arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles foi esta quarta-feira distinguido com o "Nobel" da Arquitectura Paisagista, o Prémio Sir Geoffrey Jellicoe, atribuído em Auckland, na Nova Zelândia, pela federação internacional do sector, revelou à agência Lusa fonte ligada à organização.

De acordo com a Associação Portuguesa dos Arquitectos Paisagistas (APAP), o galardão foi anunciado esta quarta-feira, durante a realização do congresso, em Auckland, da Federação Internacional dos Arquitectos Paisagistas (IFLA).

PÚBLICO -
Foto
Ribeiro Telles é responsável pelo projecto dos jardins da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa Pedro Valdez

O prémio tem como objectivo “reconhecer um arquitecto paisagista cuja obra e contribuições ao longo da vida tenham tido um impacto incomparável e duradoiro no bem-estar da sociedade e do ambiente e na promoção da profissão”.

A entrega do prémio acontece esta quarta-feira durante uma sessão do congresso, ao arquitecto paisagista Miguel Braula Reis, presidente da APAP, que o recebe em representação de Gonçalo Ribeiro Telles.

Braula Reis fará ainda a leitura de uma conferência da autoria do premiado e será exibido um vídeo, com uma mensagem de agradecimento de Ribeiro Telles.

Prémio criado em 2004

O Prémio IFLA Sir Geoffrey Jellicoe foi criado em 2004, e o primeiro galardoado, no ano seguinte, foi o arquitecto Peter Walker, dos Estados Unidos, seguindo-se, em 2009, Bernard Lassus, de França. Em 2011 foi distinguida Cornelia Hahn Oberlander, do Canadá, e, em 2012, Mihaly Mocsenyi, da Hungria.

Este prémio, considerado o “Nobel” da arquitectura paisagista, que tem paralelo no Prémio Pritzker de arquitectura, comemora a contribuição extraordinária para a IFLA do arquitecto paisagista britânico Sir Geoffrey Jellicoe (1900-1996), fundador daquela federação internacional.

Para a APAP, Gonçalo Ribeiro Telles “é premiado por uma excepcional carreira de setenta anos, poucos meses depois de ver garantida a continuidade do corredor verde de Lisboa, uma ideia que lançou em 1968”.

O júri do prémio inclui arquitectos paisagistas das quatro regiões da IFLA, “que representam o âmbito académico, a prática pública e privada, e possuem um profundo conhecimento da profissão, dos seus profissionais-chave e da prática internacional”.

Nascido em Lisboa, a 25 de Maio de 1922, Gonçalo Pereira Ribeiro Telles licenciou-se em Engenharia Agrónoma e formou-se em Arquitectura Paisagista, no Instituto Superior de Agronomia, na capital portuguesa, onde iniciou a vida profissional como assistente e discípulo de Francisco Caldeira Cabral, pioneiro da disciplina em Portugal, no século XX.

São da autoria de Ribeiro Telles, entre outros projectos, o Corredor Verde de Monsanto e a integração da zona ribeirinha oriental e ocidental, na Estrutura Verde Principal de Lisboa.

Gonçalo Ribeiro Telles também é autor dos jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, que assinou com António Viana Barreto (Prémio Valmor de 1975), e dos projectos do Vale de Alcântara e da Radial de Benfica, do Vale de Chelas, e do Parque Periférico, entre outros.

Sugerir correcção