CDS congratula-se com solução de não aumentar impostos

Reacção à declaração do primeiro-ministro que anunciou cortes na despesa pública.

Foto
Nuno Magalhães é o líder da bancada do CDS-PP Nuno Ferreira Santos

"A solução não é aumentar impostos. Seria trágico para a economia", disse Magalhães aos jornalistas, em reacção à declaração do primeiro-ministro neste domingo. 

Na sede do partido em Lisboa, o dirigente centrista realçou o que considerou serem aspectos positivos do discurso de Passos Coelho. Desde logo a garantia de que o primeiro-ministro "tentará salvar" a negociação dos prazos dos reembolsos que decorrerão esta semana. "É essencial para que a troika saia em 2014 e não se caia num segundo resgate", afirmou, tendo considerado que a intervenção do primeiro-ministro se traduziu numa mensagem de "bom senso e responsabilidade" num momento em que Portugal "volta a ser citado" internacionalmente não pelos melhores motivos.

Nuno Magalhães também disse ter apreciado a intenção deixada pelo primeiro-ministro de "explicar à troika a nossa circunstância" e que "Portugal tem duas emergências: o emprego e o crescimento".

Numa declaração em que não respondeu a perguntas, o líder da bancada centrista não se referiu à solução avançada por Passos Coelho de acelerar a reestruturação do Estado nem aos cortes de despesa pública para compensar o buraco orçamental criado pelo chumbo do Tribunal Constitucional.