Jorge Silva Carvalho diz que foi usado como “arma de arremesso”

Antigo director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa diz que o chamado “caso das secretas” se baseia em “desinformação, demagogia e má-fé”.

Jorge Silva Carvalho está acusado, entre outros, do crime de violação do segredo de Estado
Foto
Jorge Silva Carvalho está acusado, entre outros, do crime de violação do segredo de Estado Rui Gaudêncio

O antigo director do Serviço de Informações Estratégicas de Defesa (SIED), Jorge Silva Carvalho, acusado dos crimes de acesso indevido a dados pessoais, abuso de poder, corrupção passiva para acto ilícito e violação do segredo de Estado no chamado “caso das secretas”, disse nesta quarta-feira à saída do tribunal que foi usado como “arma de arremesso” neste caso.

Silva Carvalho começou hoje a ser ouvido no Tribunal de Instrução Criminal de Lisboa, na primeira audiência de instrução do “caso das secretas”, onde se decidirá se é ou não levado a julgamento para responder pelos crimes de que vem acusado pelo Ministério Público (MP).

O antigo director do SIED disse também que todo este caso é um processo “de políticas”, originado por “desinformação, demagogia e má-fé”, “numa coligação negativa de interesses com conflitos políticos e empresariais subjacentes”.

A audição de Silva Carvalho aconteceu à porta fechada e condicionada pelo facto de o ex-director do SIED continuar vinculado ao segredo de Estado. O seu advogado, João Medeiros, disse ontem à agência Lusa que se alguma pergunta fosse feita ao seu cliente que violasse o segredo ou potenciasse essa situação, este remeter-se-ia ao silêncio.

Silva Carvalho chegou a pedir o levantamento do segredo de Estado, mas essa prerrogativa foi-lhe negada pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, alegadamente devido ao conhecimento de matérias muito sensíveis por parte do antigo director do SIED.

MP acusou três

Segundo concluiu o Ministério Público no despacho de acusação do processo, Silva Carvalho ordenou a um seu subordinado — o ex-director do departamento operacional do SIED, João Luís, também arguido neste processo — que obtivesse os dados de tráfego do número de telefone utilizado pelo então jornalista do PÚBLICO Nuno Simas, no período compreendido entre Julho e Agosto de 2010.

O objectivo era saber quais os funcionários das secretas que poderiam ter sido a fonte de informação de uma notícia do PÚBLICO publicada nessa altura sobre o mal-estar causado por mudanças de espiões e dirigentes nos serviços de informações nacionais.

Ainda segundo o MP, Silva Carvalho queria também provar ao presidente da Ongoing, Nuno Vasconcellos, com quem negociava na altura a sua entrada na empresa, que podia obter, através das secretas, informação relevante para o grupo. Vasconcellos acabou por também ser acusado neste casoe poderá vir a responder porcorrupção activa para acto ilícito, na forma consumada.

Jorge Silva Carvalho pediu a exoneração do cargo de director do SIED a 8 de Novembro de 2010, tendo iniciado funções em Janeiro de 2011 na Ongoing, onde esteve cerca de um ano.

A sua inquirição de hoje acontece dias depois ter sido integrado na função pública, através de um despacho governamental a determinar a sua integração no quadro de pessoal da Secretaria-Geral da Presidência do Conselho de Ministros.

Questionado hoje sobre se se mantém a acção que Silva Carvalho desencadeou contra o Estado agora que já foi reintegrado na Presidência do Conselho de Ministros, como pretendia, o advogado do ex-director do SIED disse que o despacho que permite o regresso do seu cliente a funções públicas “não dá resposta” à sua exigência de pagamento de retroactivos, pelo que ainda vai ponderar essa questão.

No final do mês passado, o deputado comunista António Filipe sugeriu, porém, no Parlamento, que as coisas, podem, afinal, não ser bem como o Governo as pinta: "O Governo não tenciona pagar retroactivos a Silva Carvalho, registamos essa declaração. Mas se não tencionava pagar, porque será que consta expressamente do despacho [do primeiro-ministro e ministro das Finanças] que os respectivos efeitos se reportam a 1 de Dezembro de 2010?", interrogou.