Falta de estratégia leva a "mais austeridade estúpida e menos austeridade inteligente”, diz Augusto Mateus

Situação portuguesa é "dramática", avalia antigo ministro da Economia de Guterres. “Durante dez anos temos de nos unir para criar um país novo”, afirma.

Foto
Antigo governante diz que a maior crise portuguesa é de confiança Nuno Ferreira Santos

O economista Augusto Mateus criticou nesta quarta-feira as opções políticas do Governo liderado por Passos Coelho, considerando que o executivo não tem uma estratégia económica que faça frente à crise.

“O Governo tem uma estratégia financeira, mas não tem nenhuma estratégia económica”, afirmou o antigo ministro da Economia do Governo socialista de António Guterres, num evento em Lisboa organizado pelo Deutsche Bank e pelo jornal Expresso.

Segundo Augusto Mateus, esta opção leva à existência em Portugal de “mais austeridade estúpida e menos austeridade inteligente”.

Na opinião do presidente da AM Consultores, a situação que se vive em Portugal “é dramática”, porque os portugueses “têm medo das soluções e não dos problemas”.

Augusto Mateus disse que “é preciso descer à terra. A principal crise que nós temos é de confiança e isso tem destruído muitos empregos e deixado muitas pessoas a passar mal. Temos de ser um pouco mais inteligentes”.

Memorando "negociado à pressa"
Considerando que Portugal “foi derrotado” pelos mercados, Augusto Mateus sublinhou que o país “andou um ano a ser financiado com a emissão de dívida pública que os bancos portugueses compravam”, antes de recorrer à ajuda externa.

“As condições do memorando assinado com a troika [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional] são bastante duras e foi um acordo negociado à pressa”, argumentou.

De acordo com Augusto Mateus, “o Governo não tem nenhuma sensibilidade de dar espaço às famílias e às empresas para se ajustarem”, o que agrava a situação do país.

“Durante dez anos temos de nos unir para criar um país novo”, afirmou o economista.