Proprietário da Livraria Lello admite cobrar entrada para “pagar desgaste” do espaço

Os turistas organizados em grupos contribuem já com dois euros para este ex-libris do Porto, recebendo um marcador de livros.

Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas
Fotogaleria
Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas Nelson Garrido
Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas
Fotogaleria
Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas Paulo Pimenta/Arquivo
Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas
Fotogaleria
Há vários anos que Antero Braga vinha dizendo que tencionava passar a cobrar a entrada aos turistas Paulo Pimenta/Arquivo
Paulo Pimenta/Arquivo
Fotogaleria
Paulo Pimenta/Arquivo Nelson Garrido/Arquivo

O proprietário da Livraria Lello admitiu neste sábado a possibilidade de vir a cobrar entrada aos milhares de visitantes para “pagar o desgaste” do espaço. Acrescentou que os turistas organizados em grupos contribuem já com dois euros, recebendo um marcador de livros.

O jornalista Filipe Santos Costa conta que tentou ir à Livraria Lello e que lhe quiseram cobrar um bilhete à entrada de dois euros, denunciando que a cobrança lhe parece “manifestamente ilegal”, já que “o estabelecimento não tem à entrada a reserva do direito de admissão e não exibe qualquer licença para cobrar bilhetes”.

Em declarações à agência Lusa à porta da Livraria Lello, Antero Braga garantiu que pessoas sozinhas não pagam para entrar, sendo o pagamento de dois euros apenas para grupos de turistas organizados, que “recebem um marcador como recordação da empresa, ao preço de custo deles”. O proprietário disse ser “muito provável” que um dia passe a estender o pagamento ao público em geral, porque “a cultura não pode ser sinónimo de pobreza”.

“Antes uma casa que cobra à entrada que uma casa fechada, o que não é o caso. É um estudo que tem que se pensar, porque alguém tem que pagar o desgaste desta casa”, explicou.

Contactado pela agência Lusa, Filipe Santos Costa garante não ser “verdade que só cobra a grupos organizados”, porque lhe tentaram cobrar quando estava apenas acompanhado pela mulher e pelo filho”.

Antero Braga salientou ainda que esta é uma “empresa privada e pública”, explicando que a centenária Lello tem “um desgaste enorme em prol da cultura e divulgação da cultura portuguesa”, recordando que “é a mais bela livraria de raiz do mundo e a terceira melhor do mundo”. “Esta livraria não se pode dar ao luxo de substituir o senhor Estado em termos de divulgação dos autores, da cultura portuguesa. Eu não ganho nada, porque ninguém dá nada a esta casa e eu sou um dos proprietários”, garantiu.

Segundo o responsável, “mais de duas mil pessoas por dia passam aqui na livraria”, afirmando que “ninguém vai pagar aquilo” que está a fazer. “Se não fosse esta casa, a Prólogo - antiga Lello - provavelmente a minha querida amiga não me estaria a fazer esta pergunta”, lamentou.

A Livraria Lello foi considerada em 2010 a terceira mais bela do mundo pelo guia de viagens australiano Lonely Planet. Dois anos antes, também o diário britânico The Guardian a considerou como a terceira mais bela livraria do mundo, a seguir à Ateneo, de Buenos Aires, Argentina, que ocupa o lugar de um antigo teatro, e da da Boekhandel Selexyz Dominicanen, em Maastricht, Holanda, que está instalada numa antiga igreja. O actual edifício da Livraria Lello, pelo contrário, foi desenhado de raiz para ser uma livraria pelo engenheiro Francisco Xavier Esteves. Também já tinha sido eleita pelo escritor catalão Enrique Vila-Matas como "a mais bonita livraria do mundo".

Para Antero Braga, que há vários anos vinha dizendo aos clientes que tencionava passar a cobrar a entrada aos muitos turistas que visitam a Lello, “cultura é o que faz os pobres mais ricos e, portanto,o os agentes culturais não têm que pagar” mas sim “trabalhar de forma a manter a cultura viva, para que o seu país, a sua economia, possa ser diferente”.