Fundador do Facebook quer lançar grupo de lobby político nos EUA

Mark Zuckerberg quer que o Congresso aprove uma "reforma abrangente" do sistema de imigração, que permita atrair talento para os Estados Unidos e resolver a situação de onze milhões de trabalhadores clandestinos.

Foto
Os relatos de que Zuckerberg se terá comprometido pessoalmente com 20 milhões de dólares para a constituição do grupo não foram desmentidos pela porta-voz do Facebook REUTERS/Sebastien Nogier

O fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, está a colaborar com outros empreendedores e executivos de empresas tecnológicas para constituir um comité de acção política e pressionar o Congresso dos Estados Unidos a adoptar legislação que reforme o sistema de imigração, promova a educação e a investigação científica.

Segundo o The Wall Street Journal, Zuckerberg está a apresentar a sua ideia a amigos e colaboradores de Silicon Valley, informando-os da sua intenção de avançar com a criação de uma organização política independente que faça lobby junto do Congresso e da Casa Branca, para a consideração e aprovação de uma série de projectos legislativos na área da imigração e do ensino.

Os relatos de que Zuckerberg se terá comprometido pessoalmente com 20 milhões de dólares para a constituição do grupo não foram desmentidos pela porta-voz do Facebook, que, no entanto, se escusou a fornecer outros pormenores sobre o assunto. Alegadamente, Zuckerberg já garantiu comparticipações de monta para a sua iniciativa: o fundador do LinkedIn, Reid Hoffman, foi apontado como outro dos principais financiadores.

Vários líderes empresariais do sector de alta tecnologia têm alertado para a necessidade de uma reforma urgente no sistema de imigração, de forma a torná-lo “mais aberto e flexível”. Este grupo, que inclui os CEO de gigantes como a Microsoft, Google, Oracle, Intel, eBay e Yahoo, diz que o Governo deve facilitar a atribuição de vistos de trabalho e residência para indivíduos altamente qualificados.

No início do mês, o fundador do Facebook foi um dos signatários de uma carta aberta dirigida ao Presidente Barack Obama, pedindo-lhe para não desistir do seu propósito de reforma do sistema de imigração. “No século passado, as pessoas falavam na corrida às armas. Agora falamos de uma corrida aos cérebros. E quem for capaz de atrair os melhores cérebros, as mentes mais brilhantes, os maiores talentos, vai ganhar essa corrida”, compararam os subscritores do documento. “Quando se está a debater a imigração, é nisso que se deve pensar: que os Estados Unidos precisam de atrair estes recursos que estão dispersos por todo o mundo”, explicou Rey Ramsey, o organizador da rede TechNet responsável pela divulgação da carta aberta.

Mas, segundo as notícias, Zuckerberg pretende ir mais além nas suas propostas, defendendo – tal como a Administração Obama – uma “reforma abrangente” do sistema de imigração que estabeleça critérios e condições para que os cerca de 11 milhões de trabalhadores clandestinos nos Estados Unidos, muitos dos quais sem qualificações, possam permanecer no país.

E essa não será a única causa que o novo comité de acção política pretende promover. A missão da organização também declara que o crescimento económico e o combate às desigualdades sociais passa pelo investimento na educação, que, segundo defende, também deve ser alvo de uma profunda reforma. O financiamento da investigação científica é a outra preocupação imediata dos financiadores da iniciativa.

A imprensa norte-americana dizia que um sinal claro do compromisso de Mark Zuckerberg com a nova organização era a contratação de dois consultores políticos que são considerados como “pesos pesados” no circuito de lobby de Washington: o antigo director de comunicação do Presidente Bill Clinton, e um conhecido estratego republicano.