Exército da Coreia do Norte posiciona-se para o combate com os EUA e o Sul

Unidades especiais (e mísseis de longo alcance) em posição para atacar o Hawai, Guam, outros territórios dos Estados Unidos da América e a Coreia do Sul, anunciou a agência oficial.

Exército norte-coreano preparado para o ataque
Foto
Exército norte-coreano preparado para o ataque Reuters

O Exército norte-coreano recebeu ordens para entrar em modo de combate. Segundo informações divulgadas pela agência noticiosa da Coreia do Norte, os rockets estratégicos e as unidades de artilharia de longo alcance estão preparados e orientadas para territórios dos Estados Unidos no Pacífico: Guam e Hawai. Algumas armas estão apontadas para o território continental dos EUA e para o Sul, avança a agência KCNA citada em inglês pela Reuters.

"O supremo comando militar do povo coreano declara que todas as tropas de artilharia, incluindo as unidades estratégicas de mísseis e de projécteis de longo alcance, devem colocar-se em posição de alerta e prontas para o combate", lia-se num comunicado do Governo de Pyongyang. As unidades devem estar "prontas para atacar todas as bases militares americanas na região da Ásia-Pacífico, também o continente americano, assim como a Coreia do Sul".

A ordem é a concretização de uma ameaça feita já este mês pelo Governo da Coreia do Norte, liderado por Kim Jong-un, que declarou nulos os tratados de não agressão e o armistício com a Coreia do Sul.  A decisão surgiu na sequência da aprovação nas Nações Unidas de um novo pacote de sanções contra o país que, a 12 de Fevereiro, realizou mais um teste nuclear. A linha telefónica de segurança com Seul, a capital da Coreia do Sul, foi desligada a partir de Pyongyang.

Os especialistas em armamento têm considerado que a Coreia do Norte está longe de ter armamento capaz de chegar aos EUA. Mas terá mísseis balísticos com alcance até ao Hawai, Japão e, claro, Coreia do Sul.

Seul e Washington reforçaram na sexta-feira o pacto de cooperação militar que prevê o apoio ou intervenção de Washington à mínima provocação norte-coreana. "Não há maior erro do que [Seul e Washington] pensarem que terão a possibilidade de ripostar", disse esta terça-feira um comandante militar norte-coreano citado pela AFP.

Para já, duas reacções. Na China, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Hong Lei, pediu "calma e contenção" a todas as partes envolvidas neste clima de conflito. Em Seul, o ministro da Defesa, citado pela AFP, disse não ter indicações de manobras militares no Norte. 

Na semana passada, o Governo do Norte tinha ameaçado atacar as bases americanas no Japão e no Pacífico como retaliação por voos de bombardeiros B-52 junto ao seu território. A maior parte dos analistas avalia esta ameaça como um bluff, uma vez que consideram que o Norte não tem capacidade para manter uma guerra contra o Sul e, sobretudo, contra os EUA. Um analista que falou à AFP, Jeung Young-tae, do Instituto Nacional para a Unificação de Seul, disse que esta declaração bélica se destina a "mitificar" a chefias militares e todo o aparelho militar do Norte.

Para já, Pyongyang colocou o Exército em modo de combate. Mas o comunicado está a um passo de uma declaração de guerra.