Multidão protesta contra o casamento homossexual em Paris

Centenas de milhares de pessoas foram para as ruas contra lei já aprovada na Assembleia e que vai ser discutida no Senado em Abril.

Fotogaleria
Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay em 2013 na França Eric Feferberg/AFP
Fotogaleria
Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay em 2013 na França Eric Feferberg/AFP
Fotogaleria
Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay em 2013 na França Eric Feferberg/AFP
Fotogaleria
Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay em 2013 na França Mal Langsdon/Reuters
Fotogaleria
Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay em 2013 na França Pierre Andrieu/AFP

Centenas de milhares de pessoas foram para as ruas de Paris, este domingo, para protestar contra a lei do casamento homossexual que, na França, irá permitir não só a união de pessoas do mesmo sexo como a adopção de crianças pelo casal.

A manifestação decorreu durante algumas horas e teve momentos de maior tensão, nos quais a polícia francesa lançou gás lacrimogéneo contra a multidão. Segundo a polícia, cerca de 300.000 pessoas estiveram na rua. A organização contou 1,4 milhões de pessoas.

Esta é a segunda grande manifestação contra o casamento gay desde o início de 2013. Nas esferas políticas, a lei elaborada pelo Governo do Presidente François Hollande já foi aprovada na Assembleia da República pela maioria de esquerda e irá agora ser discutida no Senado, a partir de 4 de Abril.

Mas nas ruas, o movimento que defende que as crianças devem crescer numa família com um pai e com a mãe não desistiu de travar aquilo que a ministra da Justiça, Christiane Taubira, descreveu como um “mudança civilizacional”, cita a Reuters.

O movimento La manif pour tous – que se opõe ao projecto do Governo e é co-liderado pela humorista Frigide Barjot – e outros opositores da lei argumentam que as crianças de um casal do mesmo sexo irão ter problemas sociais e psicológicos.

Esta posição é defendida também pelos líderes religiosos franceses e pela direita. Na manifestação esteve presente Jean-François Copé, presidente da UMP, o principal partido da oposição.