Afinal, onde pára a Voyager 1? Já saiu, ou não, do sistema solar?

É o objecto humano mais distante da Terra, disso não há dúvidas. Se ainda se encontra dentro do sistema solar está no centro de uma polémica entre a NASA e uma equipa de cientistas.

Foto
Imagem artística da Voyager 1 a viajar pelo espaço NASA

Nunca um engenho humano chegou tão longe. A Voyager 1 é como um braço humano tão gigante que se estende desde a Terra até mais de 18.255 milhões de quilómetros de distância – ou seja, 121,7 vezes a distância da Terra ao Sol. Continua viagem a caminho das estrelas, mas se já saiu do sistema solar é motivo de polémica: uma equipa de cientistas disse que sim, horas depois a equipa da NASA que é guardiã da Voyager desmentiu tudo.

Primeiro, William Webber, da Universidade do Novo México, em Las Cruces, e o falecido Francis McDonald, da Universidade de Maryland em College Park, ambas nos EUA, anunciaram que a sonda da NASA, lançada a 5 de Setembro de 1977, já estava fora do sistema solar. O seu estudo foi publicado online nesta quarta-feira, pela revista Geophysical Research Letters, da União Geofísica Americana.

O que significaria isto? Significaria que a Voyager 1 estaria a viajar para lá da heliosfera, a região do espaço dominada pelo Sol e pelas partículas electricamente carregadas do vento solar. Essa região é uma enorme bolha em redor da nossa estrela e, para lá dela, o espaço interestelar é dominado pelos ventos de outras estrelas, pelos gases e poeiras que impregnam a Via Láctea.

Embora não haja consenso sobre onde fica a fronteira do sistema solar – onde termina o império do Sol e começa o império de outras estrelas –, a influência do Sol estende-se muito para além dos planetas. Mas o fim dessa bolha, a heliosfera, não é abrupto. Primeiro, é preciso ultrapassar uma zona chamada “fronteira de choque”, onde a velocidade supersónica dos ventos solares desce abruptamente e começam a sentir-se os efeitos dos ventos de outras estrelas próximas. Só depois de atravessar essa região, que é a camada exterior da heliosfera, é que se chega à heliopausa e se entra no espaço interestelar.

A heliopausa é uma fronteira menos ambígua do sistema solar, porque aí as sondas passarão a estar imersas em matéria resultante das explosões de outras estrelas.

Mas há quem considere que a derradeira fronteira é onde a gravidade do Sol deixa de dominar, o que ainda fica muito para lá da heliopausa. Depois da heliopausa, a gravidade do Sol ainda mantém uma horda de milhões de cometas, a nuvem de Oort. Só daqui a 20 mil anos as duas sondas terminarão a sua passagem pela nuvem de Oort, para continuarem a vaguear pelo cosmos, sem voltarem a entrar noutro sistema solar.

A Voyager 1 foi o primeiro aparelho de fabrico humano a “sentir” a fronteira de choque, em Dezembro de 2004, quando se encontrava a cerca de 14.000 milhões de quilómetros do Sol.

Agora, a equipa de William Webber relatou a chegada da Voyager, a 25 de Agosto de 2012, a uma zona diferente. Nela, a sonda teria registado mudanças drásticas na radiação: segundo um comunicado da União Geofísica Americana, os raios cósmicos aprisionados na helioesfera teriam caído a pique, para menos de 1% dos níveis anteriores; e os raios cósmicos galácticos, oriundos do exterior do sistema solar, teriam aumentado para valores nunca antes medidos pela Voyager, chegando ao dobro.

“Em poucos dias, a intensidade da radiação aprisionada na heliosfera desceu e a dos raios cósmicos subiu, tal como é de esperar se estivesse a sair da heliosfera”, disse William Webber, no comunicado. “Parece que a Voyager 1 saiu da principal região modulada pelo sistema solar, revelando que os espectros do hidrogénio e do hélio são característicos do que se esperava para o meio interestelar”, refere por sua vez o artigo científico.

William Webber chamou a essa fronteira de transição “helioprecipício”: se não é a heliopausa, pelo menos já não andaria longe. Antecipava a continuação do debate sobre se a sonda teria entrado no espaço interestelar ou se teria, antes, chegado a uma zona separada e indefinida para lá do sistema solar. “Diria que está fora da heliosfera normal. Estamos numa nova região. Tudo o que estamos a medir é diferente e entusiasmante”, acrescentou o investigador.

Mais artigos científicos na calha
Não podia ter sido mais certeiro. Horas depois, a NASA emitia um comunicado sobre a localização da sonda: “A equipa da Voyager está a par dos relatos de hoje [quarta-feira] de que a Voyager 1 deixou o sistema solar. É consenso entre a equipa científica da Voyager que a Voyager 1 não deixou ainda o sistema solar ou atingiu o espaço interestelar”, diz o cientista Edward Stone, envolvido no projecto desta sonda e que trabalha no Instituto de Tecnologia da Califórnia, em Pasadena.

“Em Dezembro de 2012, a equipa científica da Voyager reportou que a Voyager 1 está dentro de uma nova região chamada ‘auto-estrada magnética’, onde as partículas energéticas sofreram mudanças drásticas. Uma mudança na direcção do campo magnético é o último indicador crucial de ter atingido o espaço interstelar, ora não foi ainda observada essa mudança de direcção”, acrescentou Edward Stone.

Outro cientista da equipa da Voyager, Stamatios Krimigis, do Laboratório de Física Aplicada Johns Hopkins, em Laurel, Maryland, considerou que o comunicado da NASA explicava tudo: "Não há mais nada a dizer", referiu, segundo a revista Nature. "Pouco podemos dizer sobre o campo magnético" até à publicação de um conjunto de artigos científficos num dos próximos números da revista Science. "É aí que estão os dados sobre o campo magnético e não no artigo de Webber."

Afinal, onde pára a Voyager 1? Mesmo sem consenso, uma coisa é certa: depois de ter explorado o sistema solar – com a sua irmã gémea, a Voyager 2, lançada a 20 de Agosto de 1977 –, encontra-se em território nunca antes explorado pelos humanos, a 121,7 unidades astronómicas (uma unidade astronómica são 150 milhões de quilómetros, a distância média da Terra ao Sol).

Espera-se que ela (e a Voyager 2) funcione até 2020, altura em que deverá esgotar-se a energia dos seus reactores nucleares. Então, já terá cruzado a fronteira do sistema solar e ser apenas uma mensageira longínqua da Terra. Ou não transportasse, tanto ela como a Voyager 2, um disco dourado destinado a saudar alguma forma de vida extraterrestre, com o conteúdo escolhido por uma comissão presidida por Carl Sagan: saudações em 55 línguas, 115 imagens da Terra (da Grande Muralha da China à ponte Golden Gate), sons (de baleias, do vento, de aves, de trovões, do choro de um bebé ou o registo do electrocardiograma de uma jovem apaixonada) e uma selecção musical (de Beethoven, de Louis Armostrong até à canção Johnny B. Goode, de Chuck Berry).