Cascais e Paula Rego extinguem fundação

Câmara passa a gerir museu e garante que solução permitirá reduzir custos. Nova exposição abre em Abril.

O museu instalado na Casa das Histórias e Desenhos Paula Rego, em Cascais, vai funcionar em novos moldes que visam assegurar a sua continuidade depois da extinção da Fundação Paula Rego ter sido confirmada a 8 de Março em Diário da República, no final de um processo que o Governo iniciou em Janeiro do ano passado com a avaliação de viabilidade a todas as fundações existentes no país. O acordo entre a câmara e a família da pintora foi anunciado ontem, estando prevista a inauguração de uma nova exposição já em Abril, que terá a ópera como tema.

O acordo assinado entre Nick Willing, filho da pintora, e o município prevê a manutenção do nome Paula Rego para o espaço museológico e a instalação de uma exposição permanente da artista. Quanto às obras, Paula Rego confirmou a doação já feita em Setembro de 2009, data em que o museu foi inaugurado. Também as obras de Victor Willing, o marido da pintora falecido em 1988, continuarão no museu. Segundo Carlos Carreiras, presidente da autarquia, com a solução agora encontrada "vai haver uma redução de custos", uma vez que era a câmara "a suportar a fundação".

Já Paula Rego "não pretende manter-se ligada a uma fundação de natureza exclusivamente pública, nem tem intenção de criar uma fundação privada para as mesmas finalidades", lê-se no comunicado. "Colocámos várias possibilidades à pintora e ela optou pela extinção da fundação", diz Carlos Carreiras, para quem este entendimento permitirá "desenvolver sinergias" com os restantes equipamentos culturais do concelho. Ainda segundo o comunicado, a câmara "readquire a propriedade plena" do edifício desenhado por Eduardo Souto de Moura.

A entrada em vigor da solução encontrada para o museu aguarda apenas a aprovação definitiva da extinção da fundação em Conselho de Ministros.

Sugerir correcção