BE candidata João Semedo a Lisboa mas objectivo é recuperar um vereador

Partido diz que não abdicaria de candidatura própria na capital e lança deputada Ana Drago à Assembleia Municipal.

João Semedo diz que a sobretaxa de 3,5% é uma "violência fiscal"
Foto
João Semedo defende que as divergências no seio do partido sobre a candidatura de Ana Drago são "passado". Daniel Rocha

O coordenador João Semedo vai ser o candidato do Bloco de Esquerda à presidência da Câmara de Lisboa. Mas o seu principal objectivo eleitoral é recuperar um vereador no executivo municipal.

A candidatura de João Semedo à presidência da autarquia lisboeta e a da deputada Ana Drago à presidência da Assembleia Municipal de Lisboa, foram aprovadas na sexta-feira à noite em plenário de militantes da concelhia da capital do BE com uma “votação muito expressiva”, descreveu Semedo aos jornalistas.

Falando este sábado à tarde, à margem de um colóquio promovido pelo BE sobre “Desigualdade e pobreza”, João Semedo assumiu que o principal objectivo eleitoral “é fazer o Bloco de Esquerda recuperar o seu vereador” na Câmara de Lisboa, que perdeu nas autárquicas de 2009.

“A Câmara de Lisboa precisa de mais esquerda e essa esquerda é o BE”, sustentou o dirigente. Interrogado sobre se o Bloco contactou o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, para equacionar a possibilidade de uma aliança de esquerda na capital, o coordenador bloquista assumiu que tem falado muitas vezes com o autarca socialista, “mas não sobre esse acordo”.

“O BE tem uma posição muito clara sobre as coligações. Faremos coligações com toda a esquerda, mas em Lisboa esse cenário não existe e o Bloco de Esquerda nunca abdicaria de uma candidatura própria em Lisboa”, justificou João Semedo.

“A motivação da minha candidatura e da Ana Drago é a de ter uma grande campanha política em Lisboa, em defesa dos lisboetas, olhando especialmente para aqueles que são as vítimas da austeridade”, declarou Semedo.

Questionado sobre se o facto de a candidatura de Ana Drago à presidência da Assembleia Municipal de Lisboa estar agora associada à sua própria candidatura travou a contestação interna dentro do Bloco de Esquerda, João Semedo respondeu: “Nós discutimos muito esta candidatura e chegámos a uma boa proposta, a uma boa solução e a um grande consenso.”

“Julgo que estamos perante dois bons candidatos e no Bloco a pluralidade tem resultados e uma tradução: Mais candidatos, mais nomes, mais ideias e mais propostas”, começou por responder. Depois, numa referência indirecta às resistências que o nome de Ana Drago terá gerado entre algumas correntes bloquistas, João Semedo alegou que “tudo isso é passado”.

“O que interessa agora é que temos um candidato à presidência da Câmara de Lisboa, que é coordenador [do partido], e temos uma deputada, a Ana Drago, que é candidata à presidência da Assembleia Municipal de Lisboa. Traduzem aquilo que o Bloco desejava, que era ter uma forte candidatura em Lisboa”, advogou.