Patrões pedem fim da austeridade

Confederação do Comércio diz que o Governo não tem soluções para o relançamento da economia portuguesa. Confederação dos Serviços de Portugal quer cortes urgentes na despesa pública.

João Vieira Lopes defende que problemas estruturais se mantém
Foto
João Vieira Lopes defende que problemas estruturais se mantém Rui Gaudêncio

As declarações de Vítor Gaspar, a propósito dos resultados da sétima avaliação do Programa de Assistência Económica, só confirmam que é preciso rever a estratégia para Portugal, dizem os patrões. Reagindo aos números apresentados nesta sexta-feira pelo ministro das Finanças, João Vieira Lopes, presidente da Confederação do Comércio, defendeu que a revisão da queda do PIB, de 1% para 2,3%, não decorre apenas da degradação do contexto europeu já previsível, "mas da adopção de um conjunto de políticas recessivas exageradas, e que tudo aponta se irão manter".

Ao estimar a taxa de desemprego de 19% para este ano, valor nunca antes atingido, o Governo revela que “não tem soluções para o relançamento da economia portuguesa”, continua João Vieira Lopes que não tem dúvidas de que, em 2013, o desemprego chegará aos 20%. Quanto ao diferimento das metas do défice, João Vieira Lopes diz que “é apenas a consequência dos objectivos irrealistas anteriormente definidos, parecendo já evidente que esta revisão não será suficiente".

Além disso, o corte "mal explicado" de quatro mil milhões na despesa foi adiado para 2014  "mas os problemas estruturais que eventualmente o justificariam, persistem", lamentou.

Também Luís Reis, presidente da presidente da Confederação dos Serviços de Portugal (CSP), se pronunciou sobre as declarações do ministro das Finanças, pedindo cortes urgentes na despesa e o fim das medidas de austeridade.

“Acabou o tempo de falar, chegou o tempo de fazer. Este é o momento em que temos de pedir ao Governo uma intervenção de urgência para que garanta o corte na despesa pública e não aplique mais medidas de austeridade. A sociedade civil tem ser exigente e intransigente com a adopção de medidas que estimulem a economia interna”, defendeu.